sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Proprietários de carvoaria são enquadrados no artigo 129 do Código Penal em Pirajui (SP)

Fonte: Ministério Público do Trabalho19 de Junho de 2008
Fiscalização do Ministério Público do Trabalho encontrou trabalhadores em condições anaálogas a de escravo em uma carvoaria do interior de São Paulo. Os trabalhadores estavam sem registro em carteira, vivendo em alojamentos precários, sem equipamentos de proteção individual e tinham descontado dos salários valores relativos à alimentação e ao fornecimento de combustível para as motosserras. Eles não sabiam quanto receberiam pelo serviço. Todos, inclusive a responsável pelo funcionamento, estavam morando num alojamento localizado a apenas um quilômetro e meio dos fornos.A carvoaria foi interditada. Para a regularização da situação. Segundo investigações do procurador do Trabalho Marcus Vinícius Gonçalves, os trabalhadores teriam sido contratados pelo comandante da PM em Ourinhos, Daniel Cinto. A dona da fazenda, Maria Celeste de Oliveira, contratou um corretor de imóveis e a irmã do PM, Maria Helena Cinto, para cuidar da terra. Ela afirmou ter arrendando a operação recentemente e a produção atenderia às fazendas Reunidas e Santo Antônio Dourado.Para a regularização da situação dos trabalhadores, Maria Helena Cinto firmou Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com o MPT. OA assinatura do acordo e o acerto com os trabalhadores foram feitos na agência do Minis'téio do Trabalho e Emprego (MTE) em Pirajuí e contou com a presença dos auditores fiscais do trabalho Mário Yokishigue Tanaka e José Antonio Bulhões Duarte Arcoverde Cavalcanti, e do Presidente do Sindicato dos Trabalhadores Laércio alves de Oliveira. De acordo com o TAC, Maria Helena Cinto se comprometeu a promover a quitação dos direitos de todos os trabalhadores e a apresentar ao Ministério Público do Trabalho, em até 30 dias, termo de quitação dos haveres trabalhistas devidos ao Sr. Ziel Barbosa, sob pena de multa de R$ 10 mil, valor reversível ao Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). O termo também prevê multa diária de R$ 500,00 até a regularização da conduta com o pagamento integral do montante devido a cada trabalhador, também reversível ao FAT.Para procurador a situação encontrada permite o enquadramento dos responsáveis no artigo 149 do Código Penal, que trata do trabalho análogo à escravidão. A pena varia de dois a oito anos de prisão. O MPT vai responsabilizar as fazendas Reunidas e Santo Antônio Dourado pelas condições dos trabalhadores. Os trabalhadores vão receber três salários mínimos cada um, pagos pelo seguro desemprego. A proprietária e a arrendatária do local vão responder a processo criminal.Com a entrega das guias do Seguro Desemprego para 10 trabalhadores resgatados em uma carvoaria clandestina na Fazenda Reunidas, em Pirajuí, e pagamento de R$ 22 mil de direitos trabalhistas, o Ministério Público do Trabalho acredita que foi possível enquadrar os proprietários da fazenda no artigo 149 do Código Penal.Marcus Vinícius Gonçalves explicou que o enquadramento oficial é difícil de ocorrer no Estado de São Paulo. Em que pese sempre tenhamos enquadrado como trabalho degradante os trabalhos da cana, oficialmente não obtemos o enquadramento oficial, beneficiando o trabalhador com o seguro desemprego. Em nossa região outros procuradores encontraram situação semelhante, mas sem o pagamento do Seguro Desemprego, destacou.Fonte: Assessoria de Comunicação Social da Procuradoria Regional do Trabalho da 15ª Região (Campinas)

Perigo de se falar ao telefone!!!



Anatomia de um Acidente*por Tom Coelho

"Todos os erros humanos são impaciência,uma interrupção prematura de um trabalho metódico."(Franz Kafka)
Acidentes de trabalho são frutos de nossas escolhas e conseqüências de nossas próprias atitudes. Qual seria sua decisão, por exemplo, diante das seguintes situações:
- um papel jogado no chão;
- um piso molhado e escorregadio;
- uma cadeira com uma de suas pernas quebrada;
- uma escada ou extintor obstruído;
- um carona que não coloca o cinto de segurança ao entrar no seu carro.
Certamente você pode ignorar qualquer uma destas ocorrências, uma vez que não foi atingido por elas. Mas o que poderá acontecer a um colega ou a você mesmo numa próxima ocasião?

Por isso, a semente da prevenção reside em três fatores: conhecimento, conscientização e ação. Conhecer para prevenir, conscientizar-se dos riscos e agir para evitar.

O filme "Anatomia de um Acidente", distribuído com exclusividade no Brasil pela Siamar, apresenta com muita propriedade como acidentes ocorrem.

O primeiro fator é o estado de espírito do trabalhador, ou seja, como ele chega ao seu local de trabalho. As pessoas têm reações emocionais aos seus problemas pessoais e familiares os quais são indissociáveis do ambiente profissional. Dificuldades financeiras, crises conjugais, perda de entes queridos, não podem ser trancafiados no armário do vestiário ou esquecidos da porta da empresa para fora.

O segundo aspecto são as relações interpessoais. Diante do estado de espírito descrito há pouco, como os colegas reagem? Com aceitação ou com rejeição? E os supervisores, com elogios ou críticas? Objetivam as metas de produção ou a segurança em primeira instância?

A seguir, devemos considerar a influência do meio e das circunstâncias. Assim, a limpeza e a organização do ambiente de trabalho são imprescindíveis. Minha recomendação é que se aplique a técnica dos "5S" ou housekeeping. Quanto às circunstâncias, a pressão do tempo para atingir objetivos e a cobrança por resultados devem ser policiados.
O quarto fator na anatomia de um acidente é a atitude. Conforme relatado no início deste artigo, nossas escolhas precedem nossas decisões. O maior causador de acidentes é a ocorrência de práticas inseguras e a desatenção a fatores de riscos porque acreditamos que nada de adverso nos acontecerá. É comum o trabalhador proferir frases como as que seguem:
- "Sou um trabalhador seguro."
- "Eu sei trabalhar com segurança."
- "Nunca vou me machucar."
- "Meu trabalho não é perigoso."
- "Já fiz isso milhares de vezes."

Finalmente, temos a ocorrência do acidente per se, que pode ser produto de uma fatalidade, algo que simplesmente não haveria como ser previsto ou evitado. Mas, na maioria das vezes, é resultado de uma decisão consciente, de um processo que obedeceu aos passos descritos anteriormente.

Acidentes reais acontecem com pessoas reais. Por isso, fique alerta, fique seguro e fique vivo.

Acidentes acontecem, mas não os deixe acontecer com você!
28/07/2006
Tom Coelho!, com formação em Economia pela FEA/USP, Publicidade pela ESPM/SP, especialização em Marketing pela Madia Marketing School e em Qualidade de Vida no Trabalho pela USP, é consultor, professor universitário, escritor e palestrante. Diretor da Infinity Consulting, Diretor Estadual do NJE/Ciesp e VP de Negócios da AAPSA. Contatos através do e-mail tomcoelho@tomcoelho.com.br. Reprodução Autorizada desde que mantida a integridade dos textos, mencionado o autor e o site www.tomcoelho.com.br e comunicada sua utilização através do e-mail talento@tomcoelho.com.br

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Inscrições para estágio ArcelorMittal no Brasil 2009* * *

As inscrições para o programa de estágio ArcelorMittal no Brasil 2009 já estão abertas e vão até o dia 31 de outubro.

Maior produtora siderúrgica do mundo, a ArcelorMittal é considerada uma das 20 empresas em modelo de sustentabilidade e está entre as 10 melhores empresas para trabalhar no Brasil.

Todos os anos a Empresa disponibiliza o programa de estágio, pois os novos talentos contribuem para o fortalecimento da ArcelorMittal no país e no mundo. Por isso, oferece oportunidades de aprendizagem e formação a estudantes de cursos técnico e superior.

O estágio é dividido em duas modalidades: curricular e de férias e tem diversos benefícios como: bolsa de complementação educacional, alimentação, transporte e, é claro, muita experiência na área escolhida. É uma excelente oportunidade! Ajude-nos a divulgar.

Acesse o site www.arcelormittal.com.br

Recursos Humanos » Programa de Estágio* e cadastre o seu currículo.

Para mais informações, confira o arquivo anexo.
Ver Anexo http://acenet/DadosApl/AIT/noticias/XN0047893.pdf
ArcelorMittal Inox Brasil

FCG-I - Industrial Praça 1º de Maio, 9 35180-018 - Timóteo - MG - Brasil * T *31-38497628 *M *31-91246116 *F *31-3849-7241 www.arcelormittalinoxbrasil.com.br ------------------------------

É uma boa opção para quem está começando. Boa Sorte. Cida Barony

domingo, 26 de outubro de 2008

Curso

PROGRAMA EMERGÊNCIA
MACAÉ / RJ

Data: 10 e 11 de novembro de 2008
Realização: Proteção EventosPromoção: Revista Emergência
Dia 10 de Novembro – Segunda-FeiraManhã 8:30 às 12:30 – Tarde 14:00 às 18:00

Curso 1 – Prevenção e Combate a Incêndios em Plantas Industriais e Armazenagem de Inflamáveis Conteúdo Programático:
Química e reação do fogoClasses de combustíveisExplosividade e inflamabilidade dos combustíveisClassificação dos tipos de fogo e dinâmica – Flashover, Backdraft, BLEVE e BoiloverAgentes e métodos extintoresComportamento e reação pessoal em situações de risco de incêndioEPI’s, EPR’s para combate a incêndios.Busca e Resgate de vítimas em local de incêndioSistemas de Suprimento de água, rede hidráulica e hidrantesSistemas de Ventilação de ambientes por Pressão PositivaEquipamentos de combate a incêndio do sistema fixoUso e operação de canhões monitores fixos, rebocáveis, móveis e portáteisDimensionamento e operação das bombas, mangueiras e esguichosUso de LGE, cálculos de dimensionamento e sistemas de geração de espuma.Uso e operação de bombas, mangueiras e esguichos.Técnicas de combate a incêndio em tanques de armazenagemTécnicas de combate a incêndio e proteção em esferas de armazenagem.Técnicas de combate a incêndio em embarcações e instalações portuáriasCombate a incêndio em áreas de produção e processo em plantas industriaisPalestrante: Jorge Alexandre Alves

Dia 11 de Novembro – Terça-FeiraManhã 8:30 às 12:30 – Tarde 14:00 às 18:00
Curso 2 – Emergências Químicas e Técnicas de Contingenciamento de VazamentoConteúdo Programático:
Riscos dos materiais perigosos Químicos, Biológicos e Radiativos (combústivel-inflamáveis-explosivos-corrosivos-tóxicos);Princípios de toxicologia, Rotas de exposição; Dose-reação; Fontes; EfeitosSistema de identificação dos materiais perigosos, painel de segurança e rotulo de risco (NFPA, OSHA, ONU, ABNT e ABQUIM);Aparelhos detectores e medidores;Equipamentos de Proteção Individual e Respiratória;Tipos e características de caminhões tanques, cilindros de gases e containeres químicos;Métodos de contenção, confinamento e delimitação de derrames químicos;Equipamentos dedicados para controle de vazamentos de hidrocarbonetos em corpos hídricos;Métodos de contenção, confinamento e delimitação de derrames de hidrocarbonetos em corpos hídricos;Organização da área do acidente (zonas de apoio, zonas de acesso limitado e restrições);Resgate de vitimas de contaminação;Descontaminação de vitimas e ambiente.Palestrante: Jorge Alexandre AlvesCurrículo Palestrante: Jorge Alexandre Alves - Diplomado como Instrutor de Paramédicos pela Miami University, Florida, USA, e como Instrutor de Técnicas em Procedimentos para Situações de Emergência pela NSC National Safety Council, Itasca, Ilinois, USA. Credenciado como Técnico em Emergências Cardiovasculares pela AHA American Heart Association, Orlando, Flórida – USA. e como Instrutor de Oficiais Bombeiros pela New York State Academy of Fire Science, Montour Falls, New York, USA. É formado como Instrutor especialista em Combate a Incêndios em Líquidos Inflamáveis, Incêndio em Tanques de Armazenamento, Incêndio em Embarcações e Estruturas Marítimas pela Texas A&M University, College Station, Texas, USA.IMPORTANTE: •

TODOS OS CURSOS COM COFFEE BREAK, MATERIAL DIDÁTICO E CERTIFICADO. ESTES SERÃO ENVIADOS VIA CORREIO CASO A INSCRIÇÃO SEJA EFETUADA COM MENOS DE 10 DIAS DE ANTECEDÊNCIA AO CURSO•
DESCONTO ESPECIAL PARA MAIS DE 3 INSCRITOS DA MESMA EMPRESA E ESTUDANTES



Curso 1
Assinante - Até 17/10 255,00

Assinante - Após 17/10 310,00

Não Assinante - Até 17/10 310,00

Não Assinante - Após 17/10 370,00


Fonte: revista proteção

sábado, 25 de outubro de 2008

MIneração e Meio Ambiênte

Compete à DIRETORIA DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS:

1. assistir ao Secretário do Planejamento e Meio Ambiente na definição das diretrizes e na implementação das ações da área de meio ambiente, recursos hídricos e ecoturismo;
2. assistir ao Secretário do Planejamento e Meio Ambiente na supervisão do Naturatins;
3. supervisionar e coordenar as atividades das Coordenadorias Política e Normas Ambientais, Coordenadoria de Recursos Naturais e Coordenadoria de Recursos Hídricos;
4. supervisionar e coordenar as atividades relacionadas com recursos de informações e informática, na área de atuação da Diretoria;
5. coordenar o processo de captação dos recursos de fontes nacionais, internacionais e estrangeiras, na área de atuação da Diretoria;
6. supervisionar e coordenar os programas com financiamento de organismos internacionais e estrangeiros; a implementação dos acordos nacionais e internacionais e a execução dos convênios e os projetos de cooperação técnica nacional e internacional, na área de atuação da Diretoria;
7. exercer as atividades de secretaria executiva do Conselho Estadual de Meio Ambiente – COEMA e do Conselho Estadual de Recursos Hídricos – CERH.
8. presidir a Comissão de Educação Ambiental;
9. formular e implementar estratégias e mecanismos de fortalecimento institucional dos órgãos que compõem o sistema estadual do meio ambiente;
10. promover a articulação institucional para implementação do processo de descentralização e repartição de competência entre os dois níveis de governo estadual e municipal;
11. coordenar o processo de construção e implementação da Agenda 21 Estadual;
12. coordenar o processo de formulação e implementação da Política e do Programa Estadual de Educação Ambiental;
13. apoiar e supervisionar a implementação de atividades de educação ambiental nas ações desenvolvidas pela SEPLAN. Núcleo de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável: propor políticas, normas e estratégias e implementar estudos, visando a melhoria da relação entre o setor produtivo e o meio ambiente, relativos: - a contribuir para formulação da Política Estadual de Desenvolvimento Sustentável; - ao desenvolvimento de instrumentos econômicos para proteção ambiental; - a contabilidade e a valoração econômica dos recursos naturais; - aos incentivos econômicos fiscais e creditícios; - ao fomento e ao desenvolvimento de tecnologias de proteção e de recuperação do meio ambiente e de redução dos impactos ambientais; - ao estímulo à adoção pelas empresas de códigos voluntários de consulta, tecnologias ambientalmente adequadas e oportunidades de investimentos visando ao desenvolvimento sustentável; - aos pactos políticos e agenda positiva;

COORDENADORIA DE RECURSOS NATURAIS

Compete à Coordenadoria de Recursos Naturais propor políticas e normas, definir estratégias, implementar programas e projetos, nos temas relacionados com: 1. a promoção do ecoturismo; 2. educação ecoturística 3. estudos, pesquisas e planejamento ecoturístico; 4. infra-estrutura básica e infra-estrutura ecoturítisca; 5. a competência técnica e gerencial para gestão ambiental e dos recursos hídricos.

COORDENADORIA DE POLÍTICAS E NORMAS AMBIENTAIS

Compete à Coordenadoria de Políticas e Normas Ambientais propor políticas e normas, definir estratégias e implementar programas e projetos, nos temas relacionados com: 1. a gestão compartilhada do uso sustentável; 2. o conhecimento, conservação e utilização sustentável da biodiversidade; 3. o acesso aos recursos genéticos; 4. o reflorestamento e a recuperação de áreas degradadas; 5. o uso sustentável da ictiofauna e dos recursos pesqueiros; 6. o gerenciamento do sistema estadual de unidades de conservação; 7. o uso sustentável de florestas, incluindo a prevenção e o controle de queimadas e incêndios florestais; 8. a política ambiental urbana; 9. as diferentes formas de poluição, degradação ambiental e riscos ambientais; 10. aos resíduos danosos à saúde e ao meio ambiente; 11. a avaliação de impactos ambientais e o licenciamento; 12. o monitoramento da qualidade do meio ambiente; 13. a implantação do sistema estadual de Informações Ambientais.

COORDENADORIA DE RECURSOS HÍDRICOS

Compete à Coordenadoria de Recursos Hídricos propor políticas e normas, definir estratégias, implementar programas e projetos, nos temas relacionados com:
1. a política de recursos hídricos;
2. a gestão integrada do uso múltiplo sustentável dos recursos hídricos;
3. a implantação do Sistema Estadual de Informações sobre Recursos Hídricos;
4. a integração da gestão dos recursos hídricos com a gestão ambiental;
5. a transposição de águas entre bacias hidrográficas;
6. o combate a desertificação.
7. A política de resíduos sólidos

Vaga de Emprego

TÉCNICO SEGURANÇA DO TRABALHO - RIO BONITO*

Residir em Niterói ou São Gonçalo-

Formação Técnica em Segurança do Trabalho;-

Experiência na função;- Pacote Office;Salário:R$1.964,00 + Assist.Médica + Assist.Odont. + VR ou V.alimentação + Seg.de Vida

Os interessados que estiverem dentro do perfil deverão enviar currículo para: bruna@agenciabrasil .com ,

colocando no assunto: TÉCNICO SEGURANÇA DO TRABALHO - RIO BONITO

Ministro do Trabalho vem a SP celebrar os 42 anos de Fundacentro

O Ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi, estará em SP, amanhã, 24 de outubro para prestigiar os 42 anos de existência da Fundacentro, única instituição da América Latina voltada para pesquisas em segurança e saúde do trabalhador.
A Fundacentro foi a primeira instituição pública no Brasil a ter uma estrutura administrativa tripartite prevista em norma jurídica, idealizada pelo doutor Eduardo Gabriel Saad, durante o governo do ministro do trabalho, Arnaldo Sussekind.
Vinculada ao MTE, acumula em seu histórico de atuação, trabalhos que desempenharam papéis importantes no combate aos acidentes e doenças ocupacionais.
Remonta da década de 70, os altos índices de acidentes de trabalho que, em meio a um boom econômico, resultou em aumento da produtividade na construção civil e conseqüentemente no aumento de óbitos de trabalhadores do setor. Foi nessa década que a instituição destacou-se pela sua atuação em difundir conhecimentos e capacitar profissionais até o início dos anos 80.
A década de 80, embora conhecida como a “década perdida” na economia brasileira, trouxe ao mesmo tempo ao mercado de trabalho, integração e expansão em ritmo acelerado, o que exigiu da Fundacentro um caráter ainda mais desafiador de responder pelas crescentes demandas de sindicatos, associações, ministério público do trabalho, e mostrar, por meio de seu potencial técnico, as causas que acometiam os trabalhadores nos diversos segmentos do trabalho.
Sua atuação se faz presente nas áreas rural e urbana. São propostas, intervenções técnico-cientí ficas, projetos nacionais e atividades integradas e multidisciplinares, as quais atendem a indústria da construção, o segmento de máquinas injetoras, galvanoplastia, mineração, trabalho portuário, serras circulares, trabalho dos motoboys, benzeno, agricultura, educação, silicose, trabalho de gênero, construção civil, cortadores de cana, marmorarias, resíduos sólidos, inclusão de pessoas com deficiência, organização do trabalho, e a mais recente “revolução industrial”, conhecida como nanotecnologia e seus impactos na saúde dos trabalhadores.
Para a comemoração do aniversário dos 42 anos, foram convidados os chefes das 11 unidades descentralizadas da Fundacentro no Brasil e os Superintendentes Regionais do Trabalho, os quais, em oficinas separadas, falarão sobre perspectivas, atuação e propostas entre o Ministério do Trabalho e Emprego, a Fundacentro e as Superintendências Regionais do Trabalho.
Entrevista coletiva será concedida pelo ministro e dirigentes da Fundacentro, às 10h do dia 24, nas dependências da Fundacentro, 3º andar.
Mais informações poderão ser obtidas junto à Assessoria de Comunicação Social da Fundacentro, pelos telefones (11) 3066.6334 – 6030 – 6091.

Semana de Segurança e Saúde no Trabalho será realizada no Paraná

Os palestrantes discorrerão sobre os mais variados assuntos como aspectos relacionados ao stress no trabalho entre outros
A Fundacentro/ PR realizará no próximo mês, a “Semana de Segurança e Saúde no Trabalho”, visando difundir no âmbito social, as informações referentes ao tema, buscando minimizar e prevenir acidentes e doenças ligadas ao trabalho.
O evento tem como público alvo, profissionais da área de segurança e saúde no trabalho, empregadores, trabalhadores e demais interessados, onde serão debatidos os principais assuntos referentes à temática, por conceituados profissionais do setor.
A organização está a cargo de José Francisco Krawulski, pesquisador e Chefe do Serviço Técnico da Fundacentro/ PR e Marlene Lucas, também pesquisadora da entidade.
O encontro ocorrerá de 10 a 14 de novembro, no auditório do SINDUSCON, situado à rua da Glória, 175 – térreo, Centro Cívico – Curitiba/PR . As atividades ocorrerão das 13h30 às 17h30.
Os participantes que obtiverem freqüência de 80% receberão um certificado ao final do evento.
As inscrições são gratuitas e deverão ser feitas através do e-mail: cepr@fundacentro. gov.br. As vagas são limitadas e serão preenchidas por ordem de inscrição.
Maiores informações nos fones: (41) 3313-5204 (Kelly), (41) 3313-5218 (Tânia) ou (41) 3313-5214 (Aline).

Vaga De Estágio

Empresa do Ramo de Produção de Estruturas Metálicas em crescimentono Rio de Janeiro, seleciona:
Técnico de Segurança do Trabalho
Escolaridade:Ensino Médio Completo/ Curso Téc. em Segurança do TrabalhoInformática:Domínio do pacote Office.Desejável :Vivência como Técnico em Fábricas de Produção de EstruturasMetálicas;Experiência:2 anos de experiência na área.Salário:Enviar currículo com pretenção salarial.Carga horária:8 horas - Segunda à Sexta.Atividades desenvolvidas:Promover treinamentos para conscientizaçã o dos colaboradores eparceiros, Executar rotinas de segurança relacionadas ao controleambiental e documental; Propor inivações no sistema de segurançada empresa; Fiscalizar das atividades desenvolvidas na unidade fabril;Relatar ocorrências que ponham em risco a integridade física emoral dos trabalhadores; Elaborar e acompanhar indicadores da área deSegurança do Trabalho.

Candidatos que ESTEJAM DENTRO DO PERFIL DA VAGA ACIMA favor encaminharcurrículos no corpo do e-mail para juliane.guedes@ icec.com. brmailto:juliane.guedes@ icec.com. br

No campo "assunto" favor mencionaro nome da vaga: Téc. Segurança doTrabalho.

Absurdo!!!


sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Vaga De Estágio

Prezados,

Estamos com uma vaga de TST para atuar em Transportadora de Grande Porte localizada no Pq. Novo Mundo / SP.

O perfil da vaga é:
Formação Técnica em Segurança do Trabalho;
Experiência com prevenção de acidentes de trabalho, normas regulamentadoras, CIPA, PPRA, PPP e Brigada de Incêndio;
Ccs. em Informática / Pacote Office.

Salário R$ 2.106,00 + VT + VR (Temporário para Efetivação).

Os interessados deverão enviar cv mencionando o título da vaga para valeria@auxiliaremp regos.com. br

Sds.
Recrutamento & Seleção
Auxiliar Empregos
R. Luiz Faccini, 480
Centro / Guarulhos - SP
Fone: (11) 3585 8318
www.auxiliaremprego s.com.br

Vaga De Estágio

Enviar currículo para esse e-mail.
talento3rh@yahoo. com.br -

Escrever no assunto o nome do cargo e pretensão salarial.

Indústria, em Nova Iguaçu, está selecionando:

Técnico (a) em Segurança do TrabalhoCom registro.

Morar próximo a Nova Iguaçu.

Não é necessário experiência.

Horário: 08h às 16h50m Segunda a sexta-feira 08h às 14h - Sábado

Vaga De Estágio

Bom dia a todos,

Nossa empresa possui vaga aberta para a cidade de TUBARÃO-SC.
Atuamos no ramo da construção pesada, nesta obra em especifico estaremos fazendo a reforma de um detemindado trecho de rodovia (101-SC).
Os interessados deveram enviar curriculum para o seguinte e-mail
IMPORTANTE COLOCAR A OBSERVAÇÃO QUE ESTÃO ENVIANDO CURRICULO PARA A VAGA DE TST DE TUBARÃO-SC

Agradeço a atenção.

Fabio Jeremias

A Oportunidade

Inscrições no site : www.sp.senai. br - Link trabalhe conosco
Abaixo informações sobre a vaga:DRH 1897-2008-01SP 20.10.200
EDITAL DE PROCESSO SELETIVO – Nº 1897-2008-01
TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO – (4 VAGAS)DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS – SÃO PAULO CAPITALSESI-SP e SENAI-SP
Salário: R$ 2.492,49 – 40 HORAS SEMANAISA

Diretoria de Recursos Humanos do SESI-SP e SENAI-SP abre inscrições para candidatosinteressados em participar do processo seletivo para o provimento das vagas acima e formaçãode cadastro reserva para os cargos que vagarem ou forem criados no Pólo P-1 São Paulo (Capitale Guarulhos), após o término dos processos de movimentação interna.Vaga Requisitos para inscriçãoTécnico em Segurança do Trabalho04 vagas (sendo 01 vaga para oSENAI/SP e 03 vagas para o SESI/SP).Local de Trabalho: CapitalCarga Horária: 40 horas semanaisHorário: de segunda a sexta-feira, das 8hàs 17h30min.Disponibilidade para viagens constantes.Ensino Médio Técnico completo em Segurança doTrabalho.Registro no Ministério do

Trabalho.6 meses de experiência profissional comprovadaem avaliações, medições ambientais e avaliaçõesqualitativas.Conhecimentos Necessários: Higiene industrial e saúde ocupacional; manuseio de equipamentosde medições ambientais; mapeamento de riscos; normas de medicina, higiene e segurança dotrabalho; princípios da gestão da qualidade ambiental – ISO 9000 e ISO 14000; recursos básicos deinformática; riscos ambientais (físicos, químicos, biológicos, ergonômicos e de acidentes); técnicasde combate a incêndio; técnicas de uso de equipamentos de proteção.Atividades a serem desenvolvidas: Controlar equipamentos de segurança e de combate aincêndio; Fiscalizar o cumprimento das normas de higiene e segurança do trabalho na UnidadeEscolar/Órgão; Inspecionar as plantas das Unidades/Órgãos, observando locais de periculosidade eáreas de risco; Ministrar programas de Treinamento específicos da área; Orientar as pessoas paraDRH 1897-2008-01SP 20.10.2008a utilização adequada dos EPIs, a fim de garantir a integridade dos funcionários e do patrimônio daempresa; Fazer medições de calor, iluminância e dosimetria de ruídos; Fotografar os ambientesestudados/analisado s; Realizar pesquisas, por segmento, sobre as normas e procedimentos desegurança; Registrar e analisar dados em planilhas, redigir relatórios individuais de visitas, para aelaboração dos manuais de segurança e saúde no trabalho ou de materiais didáticos da área;Visitar empresas ou unidades do SESI e do SENAI para coletar dados dos processos produtivos.Informações sobre o processo seletivoO processo seletivo será composto por 4 etapas, em datas a serem definidas oportunamente,conforme segue:1.

ETAPA 1 – Análise Curricular: de caráter eliminatório, consiste na análise das informaçõesconstantes no currículo, frente aos requisitos exigidos para o cargo, especialmente aescolaridade e experiências declaradas.2.
ETAPA 2 – Qualificação Técnica: de caráter eliminatório e classificatório, com o objetivo deavaliar as competências técnicas necessárias para o desempenho da função. Composta por 2provas objetivas, a saber: Prova de Língua Portuguesa e Conhecimentos Específicos, comquestões de múltipla escolha.Serão considerados habilitados, os candidatos que obtiverem, no mínimo, 50% deaproveitamento em cada uma das avaliações.2.1 A nota final, para efeito de classificação, é a média aritmética das notas obtidas nas provasteóricas. Serão encaminhados para a próxima etapa os 10 candidatos, melhoresclassificados na etapa de qualificação técnica.2.2 Os demais candidatos com resultado igual ou superior a 50% de aproveitamento na etapade qualificação técnica poderão ser convocados para a etapa de avaliação de competênciaspessoais, respeitada a sua classificação e o prazo de validade do cadastro reserva, quandoesgotadas as possibilidades de aproveitamento dos cinco candidatos melhoresclassificados.3.
ETAPA 3 – Avaliação de Competências Pessoais: visa identificar características depersonalidade, aptidão e potencial, buscando a adequação do candidato para o exercício dorespectivo cargo, e considera as necessidades, exigências e peculiaridades descritas no PerfilOcupacional do Cargo.3.1. Serão encaminhados para a avaliação de competências pessoais somente os candidatosclassificados na etapa relativa a qualificação técnica e de acordo com o número máximopré-definido.3.2. Para os candidatos habilitados na avaliação de competências pessoais, a classificaçãoobtida na qualificação técnica mantém-se inalterada.DRH 1897-2008-01SP 20.10.20083.3. Os candidatos considerados não habilitados na avaliação de competências pessoais, emfunção das exigências do cargo, serão excluídos do processo.4.
ETAPA 4 – Convocação para assunção ao cargo4.1. Os candidatos classificados serão encaminhados para exame médico admissional, decaráter eliminatório, de acordo com a existência de vaga.4.2. Havendo vagas concomitantes no SESI-SP e no SENAI-SP, é facultado o direito aocandidato, respeitada a classificação obtida, de escolha da vaga de seu interesse.4.3. No momento da convocação para a assunção ao cargo, o candidato apresentará acomprovação do registro no Ministério do Trabalho, da escolaridade (Diploma ou certificadode Conclusão de Curso), e da experiência exigida neste edital (Carteira de Trabalho ePrevidência Social, publicação no Diário Oficial, ou ainda por meio de apresentação decontratos de trabalho, complementado por declaração do contratante) . Caso contrário ficaexcluído do processo.Informações para Inscrição• As inscrições serão realizadas exclusivamente pela Internet, no link "Trabalhe Conosco"para os candidatos externos e na intranet para candidatos internos, até 31.10.2008.• A efetivação da inscrição do candidato implicará o compromisso de acatamento às regras econdições estabelecidas neste Edital, sobre as quais não poderá alegar desconhecimento.• É de exclusiva responsabilidade do candidato, sob as penas da lei, as informações fornecidasno ato da inscrição.• No ato da inscrição, o candidato se compromete a comprovar, na data da posse, os requisitospara o provimento do cargo, caso contrário, será excluído do processo seletivo não cabendorecurso.• Se pessoa com deficiência, oportunamente, será solicitado o atestado médico informando aespécie e o grau ou nível da deficiência, com expressa indicação do código correspondente natabela de Classificação Internacional de Doenças – CID, a fim de poder ser consideradoportador de deficiência e fazer jus aos benefícios legalmente previstos.Disposições Finais• Não serão considerados como experiência profissional os períodos de estágio, monitoria etrabalho voluntário.• A pessoa com deficiência concorrerá em igualdade de condições com os demais candidatos.Sendo habilitada no processo seletivo, terá prioridade na contratação, independente daclassificação obtida, observado o disposto no artigo 93 da lei 8.213/91.A pessoa com deficiência será avaliada, no momento de sua convocação para admissão,quanto aos aspectos de legitimidade de sua condição de "Pessoa com Deficiência", eDRH 1897-2008-01SP 20.10.2008adequação dessa condição ao cargo ou função pleiteada. Caso seja confirmada a nãoexistência da condição de "PCD", o candidato voltará para sua classificação original. Nassituações de inadequação da condição de pessoa com deficiência ao cargo ou função a serdesempenhada, o candidato será excluído do processo.• O candidato será considerado eliminado do processo seletivo se: apresentar-se após o horárioestabelecido nas etapas de avaliação; não comparecer à prova seja qual for o motivo alegado;estiver portando ou fazendo uso de qualquer tipo de equipamento eletrônico de comunicação(agenda eletrônica, celular, Pager, etc.); utilizar-se de meios ilícitos na execução da prova; nãodevolver, integralmente, o material recebido; perturbar de qualquer modo a ordem dostrabalhos.• Por razões de ordem técnica, de segurança e de direitos autorais adquiridos, não serãofornecidos gabaritos/exemplare s dos cadernos de provas, mesmo após encerramento doprocesso seletivo.• A validade do processo seletivo será de 1 ano, a contar da data de homologação do resultadofinal, podendo ser prorrogado por igual período.• O candidato classificado poderá ser convocado para vagas de caráter efetivo ou temporário.Havendo recusa em assumir vaga de caráter efetivo nas mesmas condições desta divulgação, ocandidato terá seu nome inserido no final da lista. No caso de recusa em assumir vaga decaráter temporário ou vagas com condições diferentes das divulgadas neste Edital,permanecerá na mesma classificação. O candidato que estiver ocupando vaga de carátertemporário será consultado no surgimento de vaga efetiva, respeitada sua classificação. Sefuncionário do SESI-SP ou do SENAI-SP, não será convocado para vagas temporárias,permanecendo na mesma classificação.• O candidato admitido só poderá solicitar transferência de unidade após 1 ano.• Se ex-funcionário do SESI ou do SENAI-SP poderá inscrever-se desde que tenha se desligadopor motivo de: pedido de demissão, demissão sem justa causa por motivo de encerramento deunidade ou término de contrato de trabalho por tempo determinado, com exceção ao contratode experiência rescindido pela Entidade. No decorrer do processo seletivo, será verificado oprontuário do ex-funcionário e, havendo algum impedimento, será excluído do processo.• Em caso de empate na classificação final, terá preferência o candidato que, na seguinte ordem:a) obtiver a maior nota na Prova Teórica de Conhecimentos Específicos;b) obtiver a maior nota na Prova Teórica de Língua Portuguesa;c) comprovar o maior tempo de exercício profissional na área de atuação requerida.Os casos omissos, verificados na aplicação deste Edital, serão analisados pela Diretoria deRecursos Humanos do SESI/SENAI-SP

Vaga De Estágio

A TRAJETO
assessora neste momento uma empresa de grande porte do segmento químico e petroquímico na busca de:
Engenheiro de Segurança do TrabalhoFormação:
Superior em Engenharia com Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho.
Funções e Responsabilidades: Liberação de Equipe e Área; Acompanhamento e aplicação de procedimentos de segurança; Validação de Mapas de Risco; Organização, treinamentos e simulados para Grupos de Emergência; Programas de Segurança. Conhecimentos Específicos

Necessários: Domínio completo do pacote Office, Outlook e Internet; Inglês intermediário; Normas ISO 9000/ISO 14000/ISO 18000.

Local da Vaga:

Pólo Petroquímico - Santo André/SP. Por favor, peça que os interessados enviem seus currículos para meu e-mail.

Lilian BazottiTrajeto Consultoria em RH
lilian@trajetorh.com.br
(11) 3663-3016
Visite o site: www.trajetorh. com.br

domingo, 19 de outubro de 2008

Explosão em Corte de Chapa


Material para trinamento

No endereço abaixo, excelente filme para treinamento onde o foco principal é o emprego e as novas perspectivas para tê-lo, mantê-lo e sanar algumas duvidas cruciais que sempre nos acompanham.
Um show de bola para o Patrão e para os Empregados.
Vá no meu site e obtenha essa jóia rara, guarde com muito carinho.
http://www.esnips. com/web/DIVERSOS MATERIAIS
Consultor Waldez Ludwig - se ainda não ouviram falar neste consultor é bom tomar nota.

Empreendedorismo designa os estudos relativos ao empreendedor, seu perfil, suas origens, seu sistema de atividades, seu universo de atuação.
Empreendedor é o termo utilizado para qualificar, ou especificar, principalmente, aquele indivíduo que detém uma forma especial, inovadora, de se dedicar às atividades de organização, administração, execução; principalmente na geração de riquezas, na transformação de conhecimentos e bens em novos produtos – mercadorias ou serviços; gerando um novo método com o seu próprio conhecimento. É o profissional inovador que modifica, com sua forma de agir, qualquer área do conhecimento humano. Também é utilizado – no cenário econômico - para designar o fundador de uma empresa ou entidade, aquele que construiu tudo a duras custas, criando o que ainda não existia.

Vaga De Estágio

Empresa localizada no Rio de Janeiro com oportunidade para estagio:
Estagio em Técnico em Segurança do TrabalhoPré requisito:
Cursando Técnico em Segurança do Trabalho
Horário: à combinar
Benefícios: Bolsa Auxílio; Vale Transporte e Refeição

Interessado enviar curriculo para: talentos_rhvagas@ yahoo.com. br Grata,

Cor De Capacete

Olá Prevencionistas:
Para cada tipo de profissional existente, a sua empresa use uma cor diferente de capacete. Isso contribui para facilitar a visualização a distância qual a função daquele profissional.
Pode ocorrer que determinado profissional não esteja autorizado a permanecer em determinada área, com a adoção do capacete diferenciado fica mais fácil identificar a ocorrência.
As cores do capacete usada com critério nas empresas é de uma importância significativa, inclusive deve adotar este critério com as contratadas, obrigando-as a colocar adesivos e outros dispositivos para diferenciação dos colaboradores da sua empresa dos das outras empresas. Onde trabalha muita gente, e as cores usadas com critério e o devido treinamento na integração dos funcionários isso funciona muito bem.

As cores básicas não influenciam no preço do capacete

União

Toda a vida, ainda das coisas que não têm vida, não é mais que uma união.
Uma união de pedras é edifício:
uma união de tábuas é navio:
uma união de homens é exército.
E sem essa união, tudo perde o nome e mais o ser.
O edifício sem união é ruína:
o navio sem união é naufrágio:
o exército sem união é despojo.
Até o homem cuja vida consiste na união de alma e corpocom união é homem, sem união é cadáver.
Por mais alta que esteja a cabeça, se não está unida é pés. Por mais ilustre que seja o ouro, se não está unido é barro.
(Parte de um Sermão dado pelo Padre Antônio Vieira pregado em Santa Engrácia no ano de 1662)
Assim deve ser o TST, unidos somos um grupo forte e com grande potencial de ajudar na evolução da categoria prevencionista, sem união somos apenas mais um grupo de discussão...
Pensem nisso!

NR 27 - Com Nova Redação Dada Pelo Ministro Carlos Lupi


MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO
GABINETE DO MINISTRO
PORTARIA Nº 262 DE 29 DE MAIO DE 2008
(DOU de 30/05/2008 – Seção 1 – Pág. 118)

O MINISTRO DO TRABALHO E EMPREGO, no uso das atribuições que lhe conferem o
inciso II do parágrafo único do art. 87 da Constituição Federal, o art. 3º da Lei n.º 7.410, de 27 de
novembro de 1985, e o art. 7º do Decreto n.º 92.530, de 9 de abril de 1986, resolve:

Art. 1º O exercício da profissão do Técnico de Segurança do Trabalho depende de prévio
registro no Ministério do Trabalho e Emprego.

Art. 2º O registro profissional será efetivado pelo Setor de Identificação e Registro Profissional
das Unidades Descentralizadas do Ministério do Trabalho e Emprego, mediante requerimento do
interessado, que poderá ser encaminhado pelo sindicato da categoria.
§ 1º O requerimento deverá estar acompanhado dos seguintes documentos:
I – Carteira de Trabalho e Previdência Social – CTPS, para lançamento do registro
profissional;
II – cópia autenticada de documento comprobatório de atendimento aos requisitos constantes
nos incisos I, II ou III do artigo 2º da Lei n.º 7.410, de 27 de novembro de 1985;
III – cópia autenticada da Carteira de Identidade (RG); e
IV – cópia autenticada do comprovante de inscrição no Cadastro de Pessoa Física (CPF).
§ 2º A autenticação das cópias dos documentos dispostos nos incisos II, III e IV poderá ser
obtida mediante apresentação dos originais para conferência na Unidade Descentralizada do Ministério do
Trabalho e Emprego.

Art. 3º Permanecerão válidos os registros profissionais de técnico de segurança do trabalho
emitidos pela Secretaria de Inspeção do Trabalho - SIT.

Art. 4º Os recursos interpostos em razão de indeferimento dos pedidos de registro pelas
unidades descentralizadas serão analisados pelo Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho –
DSST, da SIT.

Art. 5º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
Art. 6º Ficam revogadas a Portaria SNT n.º 4, de 6 de fevereiro de 1992; a Portaria DNSST n.º
01, de 19 de maio de 1992; e a Portaria SSST n.º 13, de 20 de dezembro de 1995, que deu nova redação à Norma Regulamentadora – NR 27.
CARLOS LUPI

SINTEST

PREZADOS PREVENCIONISTAS,
Para que você possa VOTAR E PARTICIPAR contribuindo assim para O FORTALECIMENTO DA INSTITUIÇÃO, envio uma mensagem importante.
EM REUNIÃO DE DIRETORIA DO SINTEST/MG FOI DELIBERADO A TAXA DE ASSOCIAÇÃO QUE EM R$45,00 (QUARENTA E CINCO REAIS). (ANUAL)

Portanto prezados TST, entre no site www.sintestmg.org.br, link 2º via boleta ou filiação/recadastramento.

FAÇA A SUA ASSOCIAÇÃO, GERE OU PAGUE SUA BOLETA EM 2008.ASSIM VOCÊ IRÁ NOS AJUDAR A MUDAR OS RUMOS DE NOSSO SINTEST/MG.
PARTICIPE!! SOMENTE COM O SEU APOIO E MOBILIZAÇÃO FORTALECEREMOS NOSSA CATEGORIA E PROMOVEREMOS O CRESCIMENTO DA CLASSE TST!!
EXIJA DO SINTEST/MG SEU E-MAIL PERSONALIZADO!!!QUALQUER DÚVIDA, ESTOU A DISPOSIÇÃO.

CLÁUDIO KCAU
SECRETÁRIO GERAL DO SINTEST/MG
sestmg@yahoo.com.br
(31)9162-4050

sábado, 18 de outubro de 2008

O QUE É C.I.P.A.?

COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES (CIPA)










A CIPA é uma equipe de trabalho
com o objetivo de colaborar na
melhoria das condições do trabalho
e na diminuição de acidentes na empresa.

EFEITOS DA GINÁSTICA LABORAL NOS NÍVEIS DE DISPOSIÇÃO

Este estudo tem por objetivo verificar o benefício de um Programa de Ginástica Laboral para sua
implantação diária durante as atividades de trabalho, junto aos usuários de computador do
Instituto de Planejamento e Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico e Científico – IPAD, em
Recife-PE. À amostra, composta de 98 funcionários, foi aplicada uma série de exercícios de
alongamento, endurance muscular e relaxamento corporal, durante quatro meses, e, ao final do
período, os funcionários foram submetidos a um questionário, levando-se em consideração os
níveis de estresse e de disposição para o trabalho. A análise dos dados foi descrita por
distribuição de freqüência absoluta e relativa. Os resultados indicaram uma diminuição no nível de
estresse e um aumento na disposição para o trabalho.
Palavras-chave: lesões por esforços repetitivos, desconfortos musculoesqueléticos, ginástica
laboral.

INTRODUÇÃO
Desde a época artesanal, o homem implantou um processo de divisão de
trabalho, denominado de etapa manufatureira, visando o aumento da produção de
trabalho (SANDE, 1998).
No século XIX, a Revolução Industrial e Tecnológica introduziu um novo
ritmo de trabalho com a finalidade de suprir a competitividade do mercado
mundial. Essa nova estratégia gerou mecanização e automação do trabalho, e
tarefas que antes recaíam diretamente sobre a função humana passam agora do
homem para as máquinas tornando os sistemas de trabalho mais complexos. A
partir daí, foram exigidos dos trabalhadores movimentos repetitivos em ritmo
elevado, imposto pela velocidade da máquina, força excessiva, posturas nem
sempre adequadas às suas condições e longas jornadas de trabalho, dando início
ao aparecimento do aumento nos níveis de lesões músculo-esqueléticas
relacionadas ao trabalho (OLIVEIRA, 1991; ASSUNÇÃO & ROCHA, 1993).
Vários foram os fatores levantados para explicar as lesões músculoesqueléticas
no trabalho. Niosh (1998) sugeriu que as causas dessas lesões
seriam decorrentes tanto de fatores psicossociais (sobrecarga, trabalho), como
também ocupacionais (produtividade, aspectos biomecânicos, posturas de
trabalho, repetitividade de movimentos) e ainda de fatores individuais (força física
excessiva, falta de atividade física), que foram considerados requisitos primordiais
para o aparecimento de lesões no trabalho.
A princípio, as lesões do trabalho foram tratadas de modo conservador
através da reabilitação física, o que favorecia ao afastamento do trabalhador de
sua atividade e diminuía a produtividade da empresa, e o mesmo retornaria à
situação desencadeadora das lesões no ambiente de trabalho (WALSH &
COURY, 2002; MENDES & CASAROTTO, 1998).
Diante desses dados, formas de intervenção foram estudadas a fim de
eliminar ou reduzir os fatores de risco presentes no local de trabalho. Os projetos
ergonômicos foram uma das primeiras intervenções, com o objetivo de adequar
as ferramentas de trabalho de acordo com o perfil físico do trabalhador (KILBOM
et al, 1996; JONES et al, 2001; KELOTA et al, 2002). Os trabalhos de Green e
Briggs (1989) promoveram tanto mudanças no ambiente de trabalho quanto
treinamento dos trabalhadores para este ambiente, que foram importantes na
redução dos sintomas. Enquanto que os estudos de Maher (2000), Eriksen et al
(2002), e Karjalainen et al (2003) mostraram o uso de atividade física no trabalho
chamada Ginástica Laboral, adaptada às necessidades impostas pelo tipo de
trabalho, em breves períodos de tempo, visando incrementar o rendimento e a
disposição do profissional e a conscientização sobre a prática de ações
saudáveis. Já os trabalhos de Ong (1984) e Lee (1992), promoveram a
associação da Ginástica Laboral e mudanças ergonômicas.

Poucos foram os estudos que analisaram cada um desses recursos
separadamente no posto de trabalho, o que segundo Kilbom (1996) promove um
melhor controle da eficácia individual de cada recurso.
Diante da escassez de pesquisas que estudam apenas uma intervenção
terapêutica nos desconfortos musculoesqueléticos do trabalho, este estudo tem
por objetivo avaliar a eficácia da Ginástica Laboral isolada sob os níveis de
disposição no trabalho e tensão muscular em usuários de computador como
forma de subsídio para implantar essa intervenção na empresa.

MATERIAL E MÉTODOS
Esta pesquisa, de natureza quase-experimental, teve design de grupo
único, submetido à intervenção de um Programa de Ginástica Laboral (GL) do tipo
Compensatória, aplicando-se um questionário após a finalização do programa.
A amostra foi composta por 98 funcionários (46 homens, e 52 mulheres),
do Instituto de Planejamento e Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico e
Científico – IPAD, Recife-PE – nos setores da Assessoria Jurídica, CADES
(Centro de Apoio e Desenvolvimento e Políticas Sociais), CEUMA (Centro de
Desenvolvimento e Produção Urbanística e Meio Ambiente), CECAP (Centro de
Capacitação e Avaliação Profissional), CECOP (Centro de Comunicação e
Promoção de Eventos), CALLCENTER, DATACENTER (Centro de
Desenvolvimento de Tecnologia da Informação), SUFIN (Superintendência de

Gestão Financeira e Contábil), SUGEP (Superintendência de Gestão de
Pessoas), SULOG (Superintendência de Gestão de Logística) –, que foram
submetidos a um Programa de Ginástica Laboral.
A intervenção deu-se através de um programa de exercícios que visava a
diminuição do nível de estresse no ambiente de trabalho e o aumento da
disposição dos funcionários para o mesmo, melhorando, desta forma, a sua
qualidade de vida profissional.
O Programa de Ginástica Laboral do tipo Compensatória foi realizado
durante o horário de trabalho, e foi aplicado durante quatro meses, período de 18
de outubro de 2002 a 20 de fevereiro de 2003, nos seus dias úteis, totalizando 88
sessões de exercícios. Cada sessão de GL, composta de exercícios de
alongamento muscular, de endurance muscular e relaxamento corporal, durou
quinze minutos e foi direcionada aos grupos musculares mais requisitados
durante a atividade de digitação.
Durante as sessões foram enfatizados:
· Exercícios de alongamento – envolvendo os membros superiores
(ombros, cotovelos e punhos), a coluna vertebral (principalmente as regiões do
pescoço e lombar), e os membros inferiores (quadris, joelhos e tornozelos);
· Exercícios para endurance muscular – através de exercícios ativos
livres tanto para os membros superiores como para os inferiores;
· Relaxamento corporal – baseado em exercícios de alongamento
associados a exercícios respiratórios.
As sessões foram divididas de uma forma que não tornasse rotina para os
funcionários, assim, numa semana eram realizados três dias de alongamento
muscular e dois de exercícios para endurance, e na semana seguinte a seqüência
era invertida, tendo dois dias de alongamento muscular e três de exercícios de
endurance. O relaxamento corporal foi realizado todos os dias ao final das
sessões.
Após o período de quatro meses do Programa, os funcionários foram
submetidos a um questionário levando em consideração os níveis de estresse no
trabalho e de disposição para o mesmo, antes e após a atividade do programa,
durante os dias 24 a 28 de fevereiro e 13 e 14 de março de 2003.
5
A análise dos dados foi descrita por distribuição de freqüência absoluta e
relativa.
RESULTADOS
Foi observado que o nível de disposição para o trabalho aumentou,
notando-se que houve uma diminuição de vinte e nove funcionários indispostos
(30%) para seis (6%), e, ainda, um aumento de sessenta e nove funcionários
dispostos (70%) para oitenta e cinco (87%), que fizeram parte dos quatro meses
do Programa de Ginástica Laboral (Figuras 1 e 2).
As figuras 3 e 4 mostram que os níveis de estresse no trabalho diminuíram,
ou seja, o nível classificado como muito tenso diminuiu de 15% (quinze

DISCUSSÃO
As atividades cotidianas do trabalho podem afetar a qualidade de vida dos
trabalhadores, momentânea e definitivamente (COURY & RODGHER, 1997).
Putz-Andersson (1988) sugeriu que um dos fatores importantes para o
aparecimento de desconfortos músculo-esqueléticos foi à rápida introdução do
uso de microcomputadores, sem que as condições de trabalho fossem adequadas
ao trabalhador, proporcionando tanto estresse físico através de sustentação de
posições de músculos e articulações extremas, quanto estresse emocional,
através da necessidade do aumento da produtividade no trabalho (PINTO, 1997).
Vários foram os estudos que utilizaram ferramentas para melhorar a
qualidade de vida do trabalhador no posto de trabalho, dentre eles:
enriquecimento de tarefas, redesenho do posto de trabalho e prática de Ginástica
Laboral (RODGHER et al, 1996).

Os resultados encontrados neste estudo mostraram que o Programa de
Ginástica Laboral aumentou a disposição para o trabalho quando comparado
antes da intervenção, os quais concordam com os encontrados em Stein (2001).
A repetitividade do trabalho proporciona cansaço que, sem um tempo de
repouso adequado, pode evoluir para desconforto mais intenso e ir progredindo
para dor acentuada, fadiga e tensão muscular (MENDES & CASAROTTO, 1998;
HALES et al, 1994). O estudo mostrou que o incremento da Ginástica Laboral em
usuários de computador promoveu redução das dores musculares generalizadas
apresentadas por esses trabalhadores quando comparado antes da sua
aplicação. Esses dados concordam com os dados encontrados por Eriksen et al
(2002), no entanto discordam dos trabalhos de Silverstein et al (1988) e Thomas
et al (1993). As razões para essas discrepâncias podem dever-se ao fato de que
este estudo foi realizado em um espaço de tempo curto (quatro meses), onde
essas melhorias seriam ocasionadas apenas de maneira mais aguda,
necessitando de estudos com um prazo maior de tempo para elucidar esse ponto.
O resultado da Ginástica Laboral sobre os efeitos na tensão muscular
mostrou uma redução nos níveis classificados como muito tenso e tenso,
sugerindo que a atividade física parece proporcionar relaxamento muscular, o que
diminui os níveis de tensão no trabalho. Vale a pena salientar que a classificação
dos níveis de tensão não é muito clara, e, como os dados foram obtidos através
de questionários, pode não torná-los tão fidedigno, devido ao grande grau de
subjetividade, necessitando de mais pesquisas, principalmente com o uso de
dispositivos mais diretos que possam quantificar com mais exatidão os níveis de
tensão muscular.

CONCLUSÃO

A Ginástica Laboral, neste estudo, mostrou ser efetiva na redução das
dores musculares e no aumento da disposição do trabalho. Porém, são
necessários estudos mais específicos, que requeira um tempo de intervenção
maior para sua elaboração, quanto à localização da dor e estudos biomecânicos
com associação de Eletromiografia para ilustrar com maior fidedignidade os
achados encontrados, visto que existe uma grande subjetividade das respostas
quando se utiliza questionário, tornando as variáveis muito complexas e não
podendo ser elucidadas apenas com o uso deste recurso.

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Programa de Exercícios


PROJETO DE GINÁSTICA LABORAL




O que é Ginástica Laboral?:

Ginástica Laboral é a atividade física orientada, praticada durante o horário do expediente, visando benefícios pessoais no trabalho. Tem como objetivo minimizar os impactos negativos oriundos do sedentarismo na vida e na saúde do trabalhador.
É a combinação de algumas atividades físicas que tem como característica comum, melhorar sob o aspecto fisiológico, a condição física do indivíduo em seu trabalho; emprega exercícios de fácil execução que são realizados no próprio local de trabalho que contribuirão para um melhor condicionamento e desempenho físico, concentração e um melhor posicionamento frente aos postos de trabalho.
"A ginástica laboral atua de forma preventiva e terapêutica, não levando o trabalhador ao cansaço". O público-alvo abrange desde executivos, gerentes e diretores, até os funcionários administrativos e de produção.

Histórico:
A Ginástica Laboral não é uma atividade física recente. Há relatos deste tipo de atividade desde 1925, na Polônia, onde é chamada de Ginástica de Pausa e destinada a operários. Neste mesmo período pesquisas foram realizadas na Bulgária, Alemanha Oriental e na Holanda. Na Rússia 150 mil empresas, envolvendo 5 milhões de funcionários praticavam e ainda praticam a Ginástica de Pausa, adaptada a cada cargo (CAÑETE apud POLITO et. al, 2002).
Apesar de ter surgido na Polônia, o seu desenvolvimento se deu em 1928 no Japão e perdura até os dias de hoje. Segundo CAÑETE (1996 apud POLITO et. al, 2002), esta pratica foi difundida por todo o país, após a Segunda Guerra Mundial e, atualmente, um terço dos trabalhadores exercitam-se diariamente, tendo obtido como resultados, em 1960, a diminuição dos acidentes de trabalho, o aumento da produtividade e a melhoria do bem estar geral dos trabalhadores.
A transmissão do programa da Rádio Taissô por pessoas especializadas, que consiste em um tipo de ginástica rítmica, com exercícios específicos, acompanhados por música própria, foi o responsável pela grande propagação da "Ginástica Laboral" no Japão. O programa é acompanhado não só da orientação de exercícios, como também é acompanhado de palestras de curta duração sobre assuntos relativos à saúde do trabalhador e a produtividade.
No Brasil, mais especificamente, nos estados São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná e Mato Grosso do Sul a Federação da Rádio Taissô coordena mais de 5 mil praticantes da Ginástica laboral que chegou ao país através de executivos nipônicos em 1969, nos estaleiros Ishikvajima.
Em 1973, houve uma experiência pioneira no país baseada em proposta elaborada pela Federação de Estabelecimentos de Ensino Superior em Novo Hamburgo - RS. Essa proposta, oriunda de uma experiência pioneira, foi pautada em exercícios fundamentados em análise biomecânica com objetivo de relaxamento da musculatura agônica pela contração das antagônicas, dada a exigência funcional unilateral. Para este tipo de programa de exercícios físicos intitulou-se de "Educação Física Compensatória e Recreação". Sua finalidade era esclarecer e nortear a criação de centro de educação física junto às empresas.
Após cinco anos, a mesma Federação juntamente com o SESI, adotaram o mesmo programa diferençando-o do anterior de "Ginástica Laboral Compensatória", visando aprofundar estudos nesta área ainda em caráter experimental, para combater a chamada doença dos digitadores (tenosinovite). Pois foi a primeira doença reconhecida legalmente em 1987, portaria n° 4602 do Ministério da Previdência e Assistência Social, como doença profissional. (SATO apud MONTEIRO apud POLITO, 2002). Como o objetivo do estudo realizado pela Federação e o SESI, serem apenas de estudo, e a mentalidade da época não favorecia a implantação deste tipo de trabalho, assim como resultados que dessem base para a implementação do programa em outras empresas, levando a "Ginástica Laboral" a entrar no esquecimento por um longo período.
Começa a ser resgatada na década de 80 e na década seguinte, ressurgindo atualmente como "febre" nas empresas no combate do stress e das lesões do trabalho.


Objetivos da Ginástica Laboral:
O objetivo da GL (Ginástica Laboral) é promover adaptações fisiológicas, físicas e psíquicas, por meio de exercícios dirigidos que:
- Trabalham a reeducação postural,- Aliviam o estresse,- Diminuam o sedentarismo;- Aumentam o ânimo para o trabalho;- Promovam a saúde e uma maior consciência corporal;- Aumentam a integração social;- Melhoram o desempenho profissional;- Diminuam as tensões acumuladas no trabalho;- Previnam lesões e doenças por traumas cumulativos, como as LER (Lesões por Esforços Repetitivos) e os DORT (Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho).- Diminuam a fadiga visual, corporal e mental por meio das pausas para os exercícios.

A quem se dirige:
A Ginástica Laboral é mais uma ferramenta disponível dentro da ergonomia desenvolvida em uma empresa, no sentido de prevenir as doenças ocupacionais, contribuindo para melhoria da qualidade de vida dos funcionários.
O Programa de Ginástica Laboral permite colaborar e orientar as pessoas, para viverem melhor exercendo seu papel no setor em que estão inseridas, em parceria com a Atividade Física Orientada, ou seja, cada profissional dentro da empresa, independente de sua posição hierárquica ou função exercida, pode analisar e reavaliar seu modo de pensar, agir, organizar seu tempo e espaço, prevenindo os grandes vilões que causam males a saúde, os quais chamamos de estresse.

Como se desenvolve a sessão:
Atividades de curta duração (10-15 minutos);
Atividades de pouca exigência física (Ex: alongamentos, relaxamento, recreação e consciência corporal no ambiente de trabalho);
Atividades desenvolvidas no próprio local de atividades do funcionário.
Essas Atividades podem ser divididas basicamente em:
Ginástica Preparatória ou de Aquecimento: realizada antes de iniciar o trabalho. São executadas para preparar as estruturas que serão solicitadas durante as tarefas dentro da empresa.
Compensatória ou de Pausa: são atividades realizadas em pequenos intervalos durante o expediente. Elas têem o objetivo de compensar as estruturas que estão sendo utilizadas no processo produtivo, diminuindo as tensões do trabalho repetitivo, posturas erradas, proporcionando ao indivíduo condições de perceber seu corpo, suas condições físicas e psicológicas.
Ginástica de Relaxamento ou Final de Expediente: como o próprio nome já sugere, são atividades realizadas ao término das atividades do funcionário dentro da empresa. Seu objetivo maior é aliviar a sensação de cansaço e tensão muscular, e proporcionar uma integração social no ambiente de trabalho.


Benefícios:
Para Empresa
Redução do índice de absenteísmo
Maior proteção legal
Aumento dos lucros
Diminuição dos acidentes de trabalho, com prevenção de doenças profissionais
Reflexão na capacidade de produção / produtividade
Integração dos trabalhadores
Baixo custo de implantação do programa
Funcionamento da ação como política de RH
Acompanhamento do médico da empresa ou RH
Reduzir acidentes de trabalho e ou afastamento do trabalhador da empresa

Para o trabalhador
Fisiológicos
Prevenir a D.O.R.T. / L.E.R.
Prevenir lesões
Diminuir tensões generalizadas e relaxar
Amenizar fadiga muscular e emocional
Prevenir o stress
Melhorar a postura
Melhorar a condição do estado de saúde geral
Psicológicos
Reforçar a auto estima
Aumento da capacidade de concentração no ambiente de trabalho
Conquista do momento destinado a ele
Valorização do funcionário ( homem / profissional )
Sociais
Melhorar o relacionamento interpessoal
Melhorar a comunicação interna
Participação ativa nas palestras debates e dinâmica de grupo


Características da atividade:
A ginástica na empresa é uma atividade física que tem particularidades adaptadas as condições pertinentes ao meio ambiente de trabalho:
A atividade será executada de 2 ( duas ) a 5 ( cinco ) vezes por semana, uma vez ao dia, no horário pré estabelecido : manha , tarde ou noite
As séries são dirigidas pelos professores ou monitores no local de trabalho
A duração da aula oscila entre 8 ( oito ) e 12 ( doze ) minutos.
Os movimentos poderão ser executados em pé, sentado ou deitado não necessitando de roupas especificas nem local pré destinado.
Pode-se utilizar como recurso materiais como: bolinhas, bambolês, bastões, balões de ar, cordas, cadeiras, música, entre outros.

PREVENÇÃO DE ACIDENTE NOS TRABALHOS EM ALTURA

OBJETIVO:
PASSAR CONHECIMENTO E EXPERIÊNCIA ADQUIRIDA NA
PREVENÇÃO DE ACIDENTES EM TRABALHO EM ALTURA
O QUE DIZ A LEI
SEGUNDO A LEI, A CULPA ESTÁ FUNDAMENTADA NA TEORIA DA
PREVISIBILIDADE.
PREVISIBILIDADE É A POSSIBILIDADE DE SE PREVER UM FATO.
DIZ-SE HAVER PREVISIBILIDADE QUANDO O INDIVÍDUO, NAS
CIRCUNSTÂNCIAS EM QUE SE ENCONTRAVA, PODIA CONSIDERADO COMO
POSSÍVEL A CONSEQÜÊNCIA DE SUA AÇÃO.
ASSIM SENDO, AO TRABALHADOR, SÓ É DEVIDA A CULPA QUANDO O
ACIDENTE FOR CAUSADO POR ERRO PROFISSIONAL, O QUE DETERMINA A SUA
IMPERÍCIA.
OS ERROS DE OMISSÃO E NEGLIGENCIA DEVEM SER ATRIBUÍDOS AOS QUE
TÊM O PODER DA DECISÃO.
O DESCUMPRIMENTO DAS MEDIDAS DE ENGENHARIA TRAZEM CONSIGO
DANOS CONSIDERÁVEIS À PRODUÇÃO DA EMPRESA.
A LEI 8213 - CUSTEIO E BENEFÍCIOS - À PARTIR DE SUA APROVAÇÃO
CONSIDERA O DESCUMPRIMENTO DAS NORMAS DE SEGURANÇA COMO CONTRAVENCAO
PENAL.
O QUE DIZ A NORMA (LEI 6514, PORTARIA 3214)
OS PROFISSIONAIS DO SESMT DEVERÃO APLICAR TODO CONHECIMENTO
DE ENGENHARIA, DE MODO A REDUZIR ATÉ ELIMINAR OS RISCOS EXISTENTES
NO LOCAL DE TRABALHO, E DETERMINAR, QUANDO ESGOTADOS TODOS OS
MEIOS CONHECIDOS PARA A ELIMINAÇÃO DO RISCO E ESTE PERSISTIR, MESMO
QUE REDUZIDO, A UTILIZAÇÃO DE EPI’S.
Prevenção de quedas

Em virtude do que diz a Lei, devemos em primeiro lugar utilizar todo
conhecimento para eliminar os risco de acidentes, fazendo uso dos
equipamentos de proteção coletiva (EPC). Não sendo possível, lançamos mão
do EPI.
Por isso não basta darmos somente o cinto de segurança para o
funcionário, devemos assegurar que independente do uso do cinto de
segurança ele estará seguro, uma vez que é previsível que o funcionário não
use o cinto de segurança na execução do serviço.
A TÉCNICA DE PREVENÇÃO DE QUEDAS
A FILOSOFIA DA PREVENÇÃO DE QUEDAS DE ALTURA DEVE ATENDER A
UMA SEQÜÊNCIA, PARA OS DIFERENTES GRAUS DE PREVENÇÃO DE QUEDAS,
1- REDUÇÃO DO TEMPO DE EXPOSIÇÃO AO RISCO: TRANSFERIR O QUE
FOR POSSÍVEL A FIM DE QUE O SERVIÇO POSSA SER EXECUTADO NO
SOLO, ELIMINADO O RISCO. - EX.: PEÇAS PRÉ-MONTADAS.
2- IMPEDIR A QUEDA: ELIMINAR O RISCO ATRAVÉS DA CONCEPÇÃO E
ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO NA OBRA. - EX.: COLOCAÇÃO DE
GUARDA-CORPO.
3- LIMITAR A QUEDA: SE A QUEDA FOR IMPOSSÍVEL, DEVE-SE RECORRER
A PROTEÇÕES QUE A LIMITEM. - EX.: REDES DE PROTEÇÃO.
4- PROTEÇÃO INDIVIDUAL: SE NÃO FOR POSSÍVEL A ADOÇÃO DE MEDIDAS
QUE REDUZAM O TEMPO DE EXPOSIÇÃO, IMPEÇAM OU LIMITEM A
QUEDA DE PESSOAS, DEVE-SE RECORRER A EQUIPAMENTOS DE
PROTEÇÃO INDIVIDUAL. - EX.: CINTO DE SEGURANÇA.
OBS.: PARA TRABALHOS NORMAIS, ESTA TÉCNICA DE PROTEÇÃO
INDIVIDUAL DEVE FICAR LIMITADA A TAREFAS DE CURTA DURAÇÃO.
NO ENTANTO, DEVE-SE UTILIZAR A PROTEÇÃO INDIVIDUAL QUANDO O
RISCO TOTAL DAS OPERAÇÕES DE COLOCAÇÃO E/OU DESMONTAGEM
DA PROTEÇÃO COLETIVA FOR SUPERIOR AO USO DA CITADA
PROTEÇÃO COLETIVA.
IMPORTANTE:
SEMPRE QUE POSSÍVEL COMBINAR DUAS TÉCNICAS DE PREVENÇÃO,
ALCANÇADO 100% DE PROTEÇÃO.

FATORES QUE INFLUENCIAM A ESCOLHA DAS
TÉCNICAS A SEREM UTILIZADAS
1- TEMPO DE EXPOSIÇÃO: TEMPO NECESSÁRIO PARA A EXECUÇÃO DO
SERVIÇO;
2- NUMERO DE PESSOAS ENVOLVIDAS: QUANTIDADE DE OPERÁRIOS QUE
TRABALHARÃO NO SERVIÇO;
3- REPETITIVIDADE DO SERVIÇO: OS SERVIÇOS SÃO FEITO COM
FRENQUENCIA OU OS EQUIPAMENTOS PODEM SER USADOS EM OUTROS
SERVIÇOS;
4- CUSTO X BENEFÍCIO: VERIFICAR QUANTO CUSTA A PROTEÇÃO E QUANTO
DE PROTEÇÃO EFICAZ ELA OFERECE;
5- PRODUTIVIDADE: A PROTEÇÃO AUMENTA A PRODUTIVIDADE DOS
TRABALHADORES;
6- ESPAÇO FÍSICO E INTERFERÊNCIA: HÁ ESPAÇO PARA COLOCAÇÃO DA
PROTEÇÃO E NÃO HA INTERFERÊNCIA.
OS EPC’S MAIS UTILIZADOS NA PREVENÇÃO DE
QUEDA DE TRABALHOS EM ALTURA
􀃌 REDE DE PROTEÇÃO E GUARDA-CORPO DE REDE;
􀃌 PLATAFORMA PROVISÓRIA E BANDEJA DE PROTEÇÃO;
􀃌 TRAVA-QUEDA E CABO DE AÇO GUIA;
􀃌 GUARDA-CORPO;
􀃌 PRANCHAS ANTI-DERRAPANTES;
􀃌 CADEIRA SUSPENSA;
􀃌 ANDAIME SUSPENSO;
􀃌 ELEVADORES DE PESSOAL.

PREVENÇÃO DE QUEDAS DE ALTURA
NO RAMO DE MONTAGENS INDUSTRIAIS NA CONSTRUÇÃO
CIVIL, A MAIORIA DOS ACIDENTES GRAVES DO TRABALHO SE
DEVE A QUEDAS DE ALTURAS ELEVADAS.


PRINCIPAIS CAUSAS DAS
• Perda de equilíbrio do
trabalhador à beira do
espaço, sem proteção.
(Escorregão, passo em falso etc.)
• Falta de proteção
Prevenção de quedas
TST ALEXANDRE ROGERIO ROQUE -5-
TST Alexandre R. Roque
• Falha de uma instalação ou de
um dispositivo de proteção.
(Quebra de suporte ou ruptura
de cabo de aço)
• Método impróprio detrabalho
• Trabalhador não apto
ao trabalho em altura(Problemas de Saúde)
• Contato acidental com condutor ou massa sob tensão elétrica


ALGUMAS OPERAÇÕES E AS PREVENÇÕES NECESSÁRIAS

􀃌 MONTAGEM DE ESTRUTURAS METÁLICAS E DA COBERTURA: TRABALHOS
NO PLANO HORIZONTAL.
EPC’S RECOMENDADOS: REDE DE PROTEÇÃO, CABO DE AÇO GUIA, TRAVAQUEDAS
RETRÁTIL, PRANCHAS ANTI-DERRAPANTES.
􀃌 MONTAGEM DE ESTRUTURAS METÁLICAS E DE FECHAMENTO LATERAL:
TRABALHO NO PLANO VERTICAL.
EPC’S RECOMENDADOS: REDE DE PROTEÇÃO, CABO DE AÇO GUIA, TRAVAQUEDAS
RETRÁTIL.
􀃌 MONTAGEM DE ANDAIME E ACESSO EM ALTURA POR ANDAIME.
EPC’S RECOMENDADOS: TRAVA-QUEDAS RETRÁTIL.
􀃌 OPERAÇÕES DE FORMA, ARMAÇÃO, CONCRETAGEM E DESFORMA DE
LAJES.
EPC’S RECOMENDADOS: REDE DE PROTEÇÃO, CABO GUIA, GUARDA CORPO E
PLATAFORMA PROVISÓRIA.
􀃌 MONTAGEM DE TUBULAÇÕES HIDRÁULICAS, ELÉTRICAS E PNEUMÁTICAS.
EPC’S RECOMENDADOS: CABO DE AÇO GUIA, TRAVA-QUEDAS RETRÁTIL E
PLATAFORMA PROVISÓRIA.
􀃌 MONTAGEM DE CHAMINÉS.
EPC’S RECOMENDADOS: PRANCHAS ANTIDERRAPANTES, PLATAFORMA
PROVISÓRIA, CABO DE AÇO GUIA, TRAVA-QUEDAS RETRÁTIL.
􀃌 MONTAGEM DE DUTOS DE VENTILAÇÃO.
EPC’S RECOMENDADOS: CABO DE AÇO GUIA, TRAVA-QUEDAS RETRÁTIL,
PLATAFORMA PROVISÓRIA.
􀃌 MONTAGEM DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS.
EPC’S RECOMENDADOS: CABO DE AÇO GUIA, TRAVA-QUEDAS E GUARDACORPO.
􀃌 MONTAGEM DE MONOVIA E PONTE ROLANTE.
EPC’S RECOMENDADOS: CABO DE AÇO GUIA, TRAVA-QUEDAS RETRÁTIL.
􀃌 PINTURA DE ESTRUTURAS E TELHADOS.
EPC’S RECOMENDADOS: CABO DE AÇO GUIA, TRAVA-QUEDAS RETRÁTIL,
PLATAFORMA PROVISÓRIA.

CHEK LIST DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES EM
ALTURA
I- REALIZAR INSPEÇÃO NO LOCAL DO SERVIÇO ANTES DO INÍCIO DA
OBRA, A FIM DE SE REALIZAR LEVANTAMENTO DOS RISCOS
EXISTENTES.
II- REALIZAR UM MICRO-PLANEJAMENTO DO SERVIÇO A SER
EXECUTADO.
III- INSPECIONAR OS DISPOSITIVOS DE PROTEÇÃO, VERIFICANDO SE
ESTÃO EM BOM ESTADO, SE OFERECEM RESISTÊNCIA AOS ESFORÇOS A
QUE SERÃO SUBMETIDOS. NUNCA IMPROVISAR DISPOSITIVO DE
PROTEÇÃO
IV- PREPARAR E MONTAR TODO EQUIPAMENTO NECESSÁRIO PARA
PREVENÇÃO DE ACIDENTES
V- VERIFICAR SE TODO PESSOAL ENVOLVIDO ESTÁ APTO AO SERVIÇO.
VI- ISOLAR E SINALIZAR TODA A ÁREA SOB O SERVIÇO. A ÁREA A SER
ISOLADA DEVERÁ SER SEMPRE MAIOR QUE A PROJEÇÃO DA SOMBRA
DA ÁREA DO SERVIÇO.
VII- QUANDO A EXECUÇÃO DE UM SERVIÇO ESPECIFÍCO E DE POUCA
DURAÇÃO EXIGE A RETIRADA DE UM DISPOSITIVO DE SEGURANÇA,
MEDIDAS SUPLEMENTARES DE SEGURANÇA DEVEM SER TOMADAS.
TODO DISPOSITIVO RETIRADO DEVERÁ SER RECOLOCADO NO FIM DA
EXECUÇÃO DO SERVIÇO
VIII- OS OPERÁRIOS DEVERÃO POSSUIR PORTA-FERRAMENTAS E/OU
AMARRAR AO CINTO OU PUNHO AS FERRAMENTAS DE PEQUENO
PORTE.
IX- É PROIBIDA A REALIZAÇÃO DE OUTRO TRABALHO SIMULTÂNEO AO
TRABALHO EM ALTURA. SE NECESSÁRIA A EXECUÇÃO DESTE SERVIÇO,
O TRABALHO EM ALTURA DEVE SER PARALISADO.


X- SEMPRE QUE HOUVEREM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS AÉREAS NAS
PROXIMIDADES DO SERVIÇO, É NECESSÁRIA A INSTALAÇÃO DE
PROTEÇÃO (BARREIRAS) QUE EVITE O CONTATO ACIDENTAL.
XI- A EXECUÇÃO DE TRABALHOS ACIMA E NA MESMA DIREÇÃO DE PONTA
TUBOS E DE FERROS VERTICAIS DESPROTEGIDOS DEVE SER EVITADA.
QUANDO ISSO NÃO FOR POSSÍVEL, TAIS PONTAS DEVEM SER
PROTEGIDAS.
XII- ANTES DO INICIO DO SERVIÇO, O DEPTO DE SEGURANÇA DEVERÁ SER
COMUNICADO, A FIM DE TOMAR TODAS AS PROVIDÊNCIAS
NECESSÁRIAS QUANTO À PREVENÇÃO DE ACIDENTES, BEM COMO,
QUANDO ACHAR NECESSÁRIO, PROMOVER PALESTRA À EQUIPE QUE
REALIZARÁ O SERVIÇO, NO SENTIDO DE ORIENTÁ-LA QUANTO ÀS
MEDIDAS DE SEGURANÇA.
XIII- O IÇAMENTO DE MATERIAIS PESADOS DEVERÁ SER FEITO SOMENTE
COM O USO DE TALHAS AMARRADAS NA ESTRUTURA DO PRÉDIO.
NUNCA NO ANDAIME OU TUBULAÇÕES.
XIV- INSPECIONAR E VERIFICAR OS EQUIPAMENTOS DE IÇAMENTO,
COMO: PESO MÁXIMO PERMITIDO, ESTADO DE CONSERVAÇÃO, BEM
COMO OS CABO DE AÇO E CORDAS.
XV- O TRABALHO SOBRE MÁQUINAS EM MOVIMENTO DEVE SER EVITADO.
QUANDO NÃO FOR POSSÍVEL, TOMAR MEDIDAS COMPLEMENTARES DE
SEGURANÇA, PREVENINDO O RISCO DE PRENSAMENTO DOS
OPERÁRIOS.
XVI- TODO CUIDADO DEVE SER TOMADO PARA EVITAR A QUEDA, SOBRE
TRABALHADORES E MAQUINAS OU EQUIPAMENTOS EM NÍVEIS
INFERIORES, DE FERRAMENTAS E EQUIPAMENTOS TAIS COMO:
MARTELO, FURADEIRA, LIXADEIRA , ETC.

30 bobagens ditas por candidatos em entrevistas de emprego

Um candidato recusou o emprego porque achou o salário alto. Outro disse que não se levantaria da cadeira até ser contratado...foi retirado pelos seguranças. Um terceiro desafiou o entrevistador para uma queda de braço. Piada? Nada disso: são histórias verdadeiras (e absurdas) que conteceram durante entrevistas de emprego. Nem é preciso dizer que nenhum deles conseguiu a vaga, né? Veja, abaixo, por que. 1. O candidato desculpou-se abruptamente e saiu. Voltou alguns minutos depois usando uma peruca.2. Pediu para ver o currículo do entrevistador para checar se ele era qualificado para julgá-lo.3. Levou seu cão boxer à entrevista.4. O entrevistador perguntou: "Onde você se vê dentro de cinco anos?" A resposta: "No seu lugar".5. Para mostrar qualificação, o candidato disse que ao começar o trabalho provaria que a gerência toda da companhia era formada por incompetentes.6. No fim da entrevista, retirou uma câmera Polaroid do bolso e tirou uma foto do entrevistador. Disse que havia feito fotos de todos os que o entrevistaram.7. Disse que se conseguisse o emprego tatuaria o logotipo da empresa no braço para mostrar lealdade.8. Sem dizer uma palavra, o candidato levantou-se no meio da entrevista e caiu fora.9. Disse que não tinha almoçado e perguntou se poderia comer um hambúrguer que trazia na pasta.10. O candidato não só mascava chiclete, como fazia bolas.11. Manteve o walkman nos ouvidos durante toda a entrevista.12. Interrompeu a conversa e ligou para o analista para pedir um conselho sobre como responder determinada questão.13. Disse que não estava interessado porque o salário era muito alto.14. Quando o entrevistador atendeu ao telefone, o candidato sacou uma Penthouse da pasta e ficou olhando as fotos; parou um longo tempo no pôster central.15. Durante a entrevista um alarme de pulso soou, o candidato se desculpou e disse que tinha de sair para uma outra entrevista.16. O candidato disse que não sairia da cadeira até ser contratado. Foi preciso chamar a segurança.17. Quando perguntado se tinha passatempos, levantou e começou a dançar tango com uma parceira imaginária.18. Tirou um videogame portátil da pasta e desafiou o entrevistador para um pinball.19. Começou a pular no tapete e disse que o entrevistador deveria ser muito importante para ter um tapete tão grosso.20. Perguntou quem era a garota encantadora no porta-retratos. Quando o entrevistador disse que era sua mulher o candidato perguntou se ela estava em casa e qual era o telefone. Foi retirado pela polícia.21. O telefone do candidato tocou no meio da entrevista. Era sua mulher. Ele pergunta: "que companhia? quando eu começo? qual o salário?" O entrevistador disse que supunha que a entrevista não lhe interessava mais. O candidato respondeu: "lógico que interessa, vou para a empresa que pagar mais". Era um truque para elevar a oferta.22. O candidato perguntou se o fato de o entrevistador não estar de terno tornava a oferta de emprego menos formal.23. Desafiou o entrevistador para uma queda de braço.24. O candidato disse que na verdade não queria trabalhar, mas que o seguro desemprego pediu uma prova de que ele estava procurando um trabalho.25. Perguntou se podia consumir cocaína antes de começar a entrevista.26. O pretendente à vaga chegou usando apenas um sapato. Disse que o outro fora roubado no ônibus.27. A bolsa da candidata abriu durante a entrevista e de dentro saltou uma calcinha, além de dois potes de maquiagem e um vidro de perfume.28. Chegou na entrevista de mobilete e estacionou na recepção. Disse que não queria ser roubado e por isso precisava de um lugar coberto para deixar a mobilete.29. Retirou o sapato e a meia do pé direito e colocou talco nos dedos. Disse que precisava fazer aquilo quatro vezes ao dia e que estava na hora.30. Assoviou o tempo todo enquanto o entrevistador falava.

Dicas para encontrar um novo emprego

Você está pronto para procurar um novo emprego? Para começar da melhor forma, é preciso estar consciente de que oferecer seu talento e suas habilidades para uma empresa é totalmente natural e comum. Emprego não é favor, é troca de serviço por dinheiro. A verdade é que assim como nós precisamos de emprego, os empregadores também necessitam do capital humano para concretizar seus negócios.
Esse é um dos maiores problemas sentidos em alguns profissionais: a falta de confiança, a baixa estima. Eles procuram emprego como se estivessem rebaixados, derrotados, com uma atitude negativa que somente irá atrapalhar no momento da procura. Se você está em busca de uma nova colocação, deve ter confiança em si mesmo e em suas habilidades. Depois, o próximo passo é demonstrar essa confiança para o empregador.
Para ajudar você a conseguir sucesso nessa fase difícil, preparamos algumas dicas e selecionamos alguns meios mais práticos para encontrar emprego. Confira!
1. Foco. Determine bem seu objetivo profissional, pois não adianta dar tiro para todos os lados. Depois de ter um alvo, fica mais fácil definir quais passos deverão ser dados para atingi-lo.
2. Pesquise bastante a área em questão, pois assim você poderá se preparar melhor para enfrentar o mercado.
3. Atualize-se. Nessas horas, a falta de dinheiro não pode ser um empecilho. Procure ler bastante, fazer cursos gratuitos oferecidos pelo SEBRAE, SENAC e por alguns sites.
4. Mantenha o bom humor. É difícil manter o bom humor enquanto as contas chegam e você não sabe como pagar. Porém, se você se tornar uma pessoa "reclamona", pessimista, que sempre está de mal com a vida, ficará mais difícil conseguir boas oportunidades.
5. Encare a busca como um trabalho. Imagine que você está empregado e se dedicando a atingir uma meta para a empresa. Assim, você terá disciplina.
6. Não se afaste dos amigos. Pode parecer que sair para encontrar os amigos não irá ajudar em nada nessa situação. Mas isso não é verdade. Além de manter sua mente arejada e sua estima alta, o contato com os amigos abrirá horizontes e fará com que você seja sempre lembrado (principalmente, se mantiver o bom humor) como alguém que precisa e MERECE uma nova colocação. Manter a rede de contatos é fundamental nesse momento.
7. Aprenda com os fracassos. Diante de uma exclusão no processo seletivo ou de um "não" recebido de um possível contratante, é possível e necessário que você tenha uma atitude proveitosa: detectar aonde errou e aprender para as próximas oportunidades.
8. Confie sempre em você. Se você não confiar, como fará com que os outros acreditem que você é a pessoa ideal para a função? O seu currículo sozinho não irá definir sua contratação, mas sim o fato de você saber se vender.
9. Não se desespere. Não é porque você está desempregado que tem que aceitar qualquer coisa. Enquanto procura uma colocação, faça trabalhos temporários e tenha tranquilidade para escolher bem a atividade definitiva.
10. Não desperdice as oportunidades. Antes de recusar uma colocação, vá à entrevista e descubra quais as funções que irá realizar e o que a empresa tem a lhe oferecer. Você pode se enganar em relação a uma vaga. Vale a pena conferir de perto para não se arrepender depois.




Entrevista de emprego é como o primeiro encontroAnsiedade, frio na barriga...veja o que mais há em comum nas duas situações
Por Clarissa Janini
Sempre que pensamos em amor, romance, paixão, primeiro encontro temos sensações bem características, como friozinho na barriga, nervosismo, ansiedade, insegurança. Reações que podem muito bem ser aplicadas em outras circunstâncias da vida e que normalmente achamos que não têm nada em comum entre si. De acordo com artigo publicado no site Monster.com, um encontro amoroso às escuras pode ser equivalente à primeira entrevista de emprego de um candidato. Veja abaixo um comparativo das duas situações com comentários do consultor Luis Felipe Cortoni.
Considere que Patrícia irá participar de uma entrevista de emprego e Rafael tem um encontro marcado com uma pessoa desconhecida.
Pré-entrevista e devaneios sobre o primeiro encontro
Rafael: "Preciso de alguém em minha vida, qualquer companhia calorosa".
Patrícia: "Necessito desesperadamente de um emprego, o primeiro que me aparecer".
Situações de desespero em ambos os casos são comuns, mas evite focar no resultado. Mire, sim, nos aspectos positivos da experiência que irá passar. E "seja sempre você mesmo, não importa a situação", afirma Cortoni.
O encontro: primeiras impressões e química
Rafael sente uma forte ligação com sua companhia: "ela é exatamente o que estive procurando".
Já Patrícia não tem um bom pressentimento sobre o entrevistador, que é frio e distante.
As primeiras impressões sobre alguém são feitas nos 10 segundos iniciais do encontro. Química e opinião sobre o outro são formadas a partir da linguagem corporal e aparência. Para contornar a situação de Patrícia, o consultor recomenda aliviar a tensão controlando e diminuindo o ritmo da conversa.
Conhecendo-se aos poucos
Rafael presta atenção na conversa cuidadosamente com o intuito de confirmar suas primeiras impressões.
Patrícia sente que o rumo da entrevista muda positivamente ao citar experiências de sucesso na carreira para o entrevistador.
Primeira impressão nem sempre é a que fica, como no caso de Patrícia. Saber conduzir de forma equilibrada a conversa pode mudar o jogo a seu favor. "O candidato precisa reconhecer qual a demanda em relação ao formato da entrevista e se adaptar a ela".
Experiências passadas
Rafael fica conhecendo melhor sua companhia quando ela conta episódios de sua vida.
Patrícia conta casos específicos de seus trabalhos anteriores, o que faz com que o entrevistador perceba detalhes similares com o cargo pretendido.
Histórias peculiares são como uma prova de que você esteve lá e realizou tudo o que disse. Mas cuidado, assim como num primeiro encontro é totalmente desaconselhável falar de relacionamentos passados, Cortoni afirma que você deve apenas revelar o que é pertinente ao molde da entrevista, sem se prolongar em assuntos que pouco interessam.
Sinais de risco
Rafael se impressiona ao ouvir sua parceira falar mal do ex-namorado.
Patrícia deixou o antigo emprego por causa do chefe, mas evita dizer algo negativo sobre ele.
Em ambos os casos, é melhor não maldizer relações passadas. Já se você foi demitido por causa de mau relacionamento com os superiores, é melhor ser ético e arcar com as conseqüências dizendo a verdade, acredita o consultor.
Conhecendo os familiares
Rafael está empolgado para apresentar sua nova namorada à família.
O entrevistador leva Patrícia para um tour na empresa e a apresenta para seus colegas em potencial.
Conhecer outras pessoas é a próxima etapa de qualquer relação. Lembre-se de não subestimar a opinião de terceiros sobre você.
A competição
Rafael compara sua nova companheira a outras mulheres que já conhece.
Patrícia é avisada de que existem outros cinco candidatos para a mesma vaga e começa a entrar em pânico, imaginando que as outras pessoas são mais qualificadas do que ela.
É um erro sofrer por se comparar aos outros. Acredite em suas qualidade e potenciais, pois você é único. E não queira saber mais detalhes sobre os outros candidatos. "Você deve focar no seu desempenho e não no dos demais", afirma Cortoni.
A espera
Rafael avisa sua parceira de que irá ligar para marcarem um próximo encontro.
O entrevistador diz a Patrícia que a decisão sobre a contratação será feita em uma semana.
O momento da espera é talvez o mais difícil de se enfrentar em todo o processo. Todavia, não fique parado esperando a ligação e continue a procurar outras oportunidades. "É melhor ter a angústia da escolha do que a de ser ou não escolhido".
O comprometimento
Rafael está empenhado em dar continuidade ao relacionamento. Só o tempo dirá se seus planos se concretizarão ou não.
Patrícia espera ansiosamente e após duas semanas finalmente é requisitada para a vaga e aceita.
Assim como um primeiro encontro pode não acabar em namoro, uma entrevista de emprego nem sempre resulta na contratação. Às vezes, simplesmente não dá certo, por qualquer razão. Quando isso acontecer, olhe para frente. Sempre haverá outros encontros e entrevistas por vir.




















Torne seu currículo mais efetivoFaça de seu CV um belo cartão de visita
Por Gisèle de Oliveira
O currículo não é um documento estático, no qual só devemos mexer quando saímos de um emprego e precisamos acrescentar mais uma experiência profissional a ele. Muito pelo contrário, o CV deve ser dinâmico e personalizado, seguindo as exigências das empresas e do mercado.
Cartão de visita de qualquer profissional, ele deve priorizar informações relevantes para cada posição pretendida e não apenas trazer uma lista de experiências anteriores. Se você está tendo dificuldades em conseguir um novo emprego, dê uma boa olhada em seu currículo e confira as dicas comentadas que a consultora do Senac e da Interação Desenvolvimento Humano e Organizacional, Creusa Quirino da Silva, e a gerente geral de Recursos Humanos da Siemens, Sylmara Piedade Requena, deram para torná-lo mais atrativo e efetivo. São pequenas mudanças que poderão fazer uma grande diferença na hora da seleção para uma vaga.
Tamanho:- O ideal são duas folhas, no máximo.
"Nada que tenha folhas e folhas. O currículo tem que ter um resumo de seus dados pessoais, formação, experiência profissional, que denote se existe mobilidade para morar em outras cidades ou países, idiomas que domina, foco para a posição que busca, competências mais expressivas", diz Sylmara.
Quando atualizar o CV:- Toda vez que assumir outra responsabilidade hierárquica ou desafios distintos, com projetos diferenciados.- Quando for necessário adequá-lo ao perfil de uma vaga.
"O currículo é algo dinâmico, vivo e que deve traduzir sua experiência passada até a presente. Deve ser permanentemente atualizado, sempre que necessário", afirma a gerente geral de RH da Siemens.
Dados pessoais:- Devem vir logo no início do currículo, com nome, endereço, telefone e e-mail. - Evitar colocar número de documentos, raça, religião, filiação partidária.
"O selecionador precisa saber como e onde encontrar o candidato. Muitas vezes as pessoas só colocam telefone e endereço no final do currículo e isso é desaconselhável. Número de documentos e religião, por exemplo, são informações desnecessárias, pois não têm a ver com as competências requeridas", esclarece Creusa.
Objetivo:- Colocar o cargo pretendido. Ex.: gerente de recursos humanos, gerente de vendas, etc.
"A nomenclatura para um cargo é muito variável, muda de empresa para empresa. Então, é indicado que o profissional mude o nome do cargo pretendido para se adequar aquele que está se candidatando. Mas desde que ele preencha os requisitos, claro", afirma Creusa.
Sumário:- Convém abrir com um sumário de leitura rápida.- Resumo das qualificações e dos resultados.- Falar o que pode fazer pela empresa, com base em sua experiência.- Resumo de qualidades. Ex.: facilidade para lidar com pessoas, liderança de grupo, etc.
"Esta é uma forma de despertar o interesse do selecionador, mostrando sua experiência e como ela poderia ser útil para a empresa. Para isso, a pessoa deve procurar conhecer um pouco da organização. Se for possível, entrar no site, saber qual é o negócio da companhia e estudar como sua experiência poderia ser utilizada", conta a consultora.
Personalizando o currículo:- Deixar o currículo com a "cara" que se encaixe melhor ao perfil solicitado pela empresa. - Priorizar informações relevantes ao cargo oferecido.- Deixar fora experiências e cursos que não agregam valor às suas capacitações para a vaga pretendida.
"Não adianta a pessoa colocar uma relação enorme de experiências e deixar a que faz diferença para aquele determinado cargo perdida no meio desse amontoado de informações. Por isso é bom destacar aquelas que compõem os requisitos que a empresa solicita, senão acaba passando informação que não agrega valor. Quando o selecionador pega o currículo ele quer saber o que o candidato pode fazer pela empresa. Não é desconsiderar o que o candidato traz de bagagem, mas valorizar aquilo que lhe dê mais chances para aquela vaga", aconselha Creusa.
Pretensão salarial:- Coloque esta informação somente se for exigida pela empresa.- Para não fechar portas, observe que está aberto a negociações usando a frase: "Possível negociação à medida de conhecimento da carteira de benefícios da empresa".
"Dessa forma, você não está dizendo que aceita qualquer salário, mas educadamente se mostra aberto a negociações com base nos benefícios, deixando a porta aberta para um segundo momento, a entrevista. É uma maneira de se valorizar e mostra que se trata de uma pessoa de visão", alerta a consultora.
Cursos e outros projetos:- Dê preferência a cursos de especialização e entidades de renome.- Projetos sociais também são importantes, porém apenas aqueles de peso.
"É importante ter bom senso, nem tudo precisa ser colocado no CV. Tudo o que for informado deve ter contribuído sensivelmente para que se tenha adquirido experiência de peso. Existem cursos que muitas vezes não precisam ser citados, são bases para um bom desenvolvimento", declara Sylmara.
Sem assassinar o português- Muita atenção com o português. - Faça uma revisão cuidadosa do currículo para evitar erros de gramática e ortografia.
"Seja humilde, caso precise, peça ajuda a alguém para fazer essa revisão. Erros gramaticais e ortográficos pegam muito mal e podem desclassificar o candidato", avisa Creusa.
Mentira tem perna curta:- Não minta jamais, não coloque informações falsas em seu currículo.- Todas as informações podem ser checadas, além do que você pode acabar se confundindo e se comprometendo durante a entrevista e isso coloca ponto final nas suas chances.











Está na hora de mudar de emprego?É preciso coragem para reconhecer esse momento e partir para uma nova experiência
Por Clarissa Janini
Quem nunca pensou em largar um emprego insatisfatório, mas teve medo de se arriscar? O receio do desemprego faz com que muitas pessoas atuem em áreas ou locais que pouco trazem prazer e crescimento pessoal – no máximo, alguma sensação de conforto e estabilidade. O que fazer quando a dúvida de mudar ou não de emprego bate à porta? Segundo os especialistas ouvidos pelo Empregos.com.br, a melhor saída para o trabalhador insatisfeito é ter coragem e encarar um novo desafio.
Marcos Hashimoto, palestrante e professor da Business School São Paulo, é categórico ao afirmar que, na dúvida, a mudança é o melhor caminho. "Hoje em dia ninguém mais está garantido no mercado. Se você estiver em dúvida sobre deixar ou não o emprego atual, pense que o pior que pode acontecer é não dar certo. E tire uma lição positiva de tudo isso, pois esse tipo de experiência traz um grande aprendizado". Ele conta que, em suas palestras, gosta de usar a seguinte metáfora: "Quando você vir uma estrela e tiver vontade de segui-la, vá em frente, sem receios. Se ela lhe levar para um lugar escuro, pense que, pelo menos, você soube que aquela não era a estrela da sua vida".
Segundo a gerente de RH da SOS Computadores, Esmeralda Queiroz, o fator que mais leva um profissional a querer mudar de emprego é a falta de perspectivas de crescimento na empresa. "É quando o trabalho atual não proporciona os desafios que você está buscando. Além desta, existem outras questões que levam à insatisfação, como baixa remuneração, ambiente de trabalho desagradável, mau relacionamento com os superiores, entre outros". Ela também acha que o desconforto no emprego deve ser maior que o medo da mudança. "Ao buscar experiências novas, você estará fazendo algo para si próprio. Lembre-se de que você é o gerente da sua carreira".
Ajuda especializadaExistem hoje diversas consultorias que prestam serviço a profissionais que têm a intenção de mudar os rumos da carreira. Sílvio Celestino, especialista em marketing pessoal, diz que atende não só a pessoas com vasta experiência, mas também a muitos recém-formados. "Muitos profissionais mais novos enxergam o futuro de maneira equivocada e acabam se frustrando. O trabalho de coaching, neste caso, costuma trazer resultados mais rápidos". Marcelo Pedra, gerente de RH da SPCOM, também acha que muitos jovens de hoje têm perspectivas inviáveis em relação à realidade. "Acontece como no caso do sonho de tornar-se jogador de futebol. A criança vai crescendo e descobre que a tarefa não é tão simples assim de ser concretizada". Para ele, a melhor maneira de não se deixar levar por falsas expectativas é manter-se constantemente atualizado.
Alguns sintomas de que o trabalho atual não vai nada bem:
Você acorda desmotivado para o trabalho e só se recupera ao voltar para casa;
Tem perspectivas pragmáticas e nada positivas sobre seu crescimento na empresa;
O salário e o relacionamento com colegas/superiores não lhe agradam;
O único motivo pelo qual trabalha na empresa é financeiro
Confira algumas dicas para ter sucesso na mudança de emprego:
Não espere pelo pior e seja você mesmo o agente da mudança;
Mantenha seu network sempre atualizado;
Tenha real noção da empregabilidade de sua função no mercado;
Caso esteja inseguro, mantenha o canal aberto com a empresa anterior;
Se achar necessário, busque ajuda de um consultor de carreira;
Empenhe-se para atuar em algo que realmente goste
Você já sorriu hoje?Especialistas comentam a importância do bom humor no ambiente de trabalho
Por Clarissa Janini
Tornar o ambiente de trabalho tão agradável como qualquer outro é o que nove entre dez especialistas da área de recursos humanos e motivação organizacional proferem na atualidade. Mas como cultivar o bom humor se as condições de trabalho e os colegas nem sempre são os mais satisfatórios? De acordo com os entrevistados do Empregos.com.br, o temperamento é algo intrínseco da personalidade da pessoa, mas pode ser trabalhado e melhorado.
O bom humor no trabalho não só torna as relações interpessoais mais agradáveis, como também "melhora a produtividade, ameniza pressões e o estresse", segundo José Tolovi Júnior, presidente do Great Place to Work Institute. Para ele, identificar um profissional bem ou mal humorado começa já no processo de seleção. "Dá para perceber qual é o gênio da pessoa logo na conversa. Infelizmente, muitas empresas ainda levam mais em conta a parte técnica da pessoa, sem dar muita importância para a personalidade. Mais tarde, o perfil do profissional pode não casar com o estilo da empresa, gerando conflitos".
"O bom humor estimula a produção de hormônios responsáveis pela sensação de prazer", segundo Denise Manfredi, da Business School São Paulo. Ela também diz que "bom humor não se fabrica, mas pode ser melhorado com treinamentos e auto-conhecimento". Mesmo assim, ela explica que existe um limite entre o bom humor construtivo e o destrutivo. "O sarcasmo e o preconceito podem vir disfarçados em forma de brincadeiras aparentemente inocentes. O líder deve ter a percepção em manifestações preconceituosas e tomar as devidas atitudes".
Lidando com o mau humor De acordo com Denise, quando surgiu o boom da gestão participativa nas empresas – em que os colaboradores possuem certa autonomia em relação à liderança – gerou-se também o conflito de o líder sentir, de certa maneira, sua autoridade ameaçada. "Empresas horizontais estimulam mais questionamentos e requerem maior auto-conhecimento corporativo". Encontrar a harmonia entre as relações pessoais no trabalho nem sempre é fácil.
"O mal humorado pode ser uma tragédia, de acordo com o cargo da pessoa", afirma o consultor Sérgio Becker. Ele diz que pessoas com esse tipo de personalidade são uma âncora para a empresa, pois não vão para frente e impedem os outros de evoluir. Ele dá algumas dicas de como identificá-los: "o mal humorado não celebra vitórias, não ri, não é criativo, não agrega, gosta de chamar a atenção, é conformado, quadrado, auto-referente, previsível, mistura pessoal com profissional, é simpático, mas não empático". Ele ainda revela um dado interessante de uma pesquisa realizada por sua consultoria, a Becker Motivação e Mudança. "Em todos os treinamentos motivacionais que já fizemos, cerca de 75% dos profissionais conseguiram alguma melhora. O resto é do tipo que não muda, tem feedback negativo e não quer enxergar seus pontos fracos. Digo que essas pessoas são ‘muito abertas ao monólogo’".
E o que fazer quando se é preciso lidar com esse tipo de profissional? De acordo com os entrevistados, se você não puder mudar de emprego, tenha o mínimo contato possível com o mal humorado. "Se a pessoa é excepcional tecnicamente e não pode ser dispensada, recomendo a ‘blindagem corporativa’", diz Becker. Para Denise, nesses casos você deve se relacionar apenas profissionalmente, deixando o lado pessoal de fora. "Ou você aprende a lidar com isso ou é melhor sair da empresa".