sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Dicas para encontrar um novo emprego

Você está pronto para procurar um novo emprego? Para começar da melhor forma, é preciso estar consciente de que oferecer seu talento e suas habilidades para uma empresa é totalmente natural e comum. Emprego não é favor, é troca de serviço por dinheiro. A verdade é que assim como nós precisamos de emprego, os empregadores também necessitam do capital humano para concretizar seus negócios.
Esse é um dos maiores problemas sentidos em alguns profissionais: a falta de confiança, a baixa estima. Eles procuram emprego como se estivessem rebaixados, derrotados, com uma atitude negativa que somente irá atrapalhar no momento da procura. Se você está em busca de uma nova colocação, deve ter confiança em si mesmo e em suas habilidades. Depois, o próximo passo é demonstrar essa confiança para o empregador.
Para ajudar você a conseguir sucesso nessa fase difícil, preparamos algumas dicas e selecionamos alguns meios mais práticos para encontrar emprego. Confira!
1. Foco. Determine bem seu objetivo profissional, pois não adianta dar tiro para todos os lados. Depois de ter um alvo, fica mais fácil definir quais passos deverão ser dados para atingi-lo.
2. Pesquise bastante a área em questão, pois assim você poderá se preparar melhor para enfrentar o mercado.
3. Atualize-se. Nessas horas, a falta de dinheiro não pode ser um empecilho. Procure ler bastante, fazer cursos gratuitos oferecidos pelo SEBRAE, SENAC e por alguns sites.
4. Mantenha o bom humor. É difícil manter o bom humor enquanto as contas chegam e você não sabe como pagar. Porém, se você se tornar uma pessoa "reclamona", pessimista, que sempre está de mal com a vida, ficará mais difícil conseguir boas oportunidades.
5. Encare a busca como um trabalho. Imagine que você está empregado e se dedicando a atingir uma meta para a empresa. Assim, você terá disciplina.
6. Não se afaste dos amigos. Pode parecer que sair para encontrar os amigos não irá ajudar em nada nessa situação. Mas isso não é verdade. Além de manter sua mente arejada e sua estima alta, o contato com os amigos abrirá horizontes e fará com que você seja sempre lembrado (principalmente, se mantiver o bom humor) como alguém que precisa e MERECE uma nova colocação. Manter a rede de contatos é fundamental nesse momento.
7. Aprenda com os fracassos. Diante de uma exclusão no processo seletivo ou de um "não" recebido de um possível contratante, é possível e necessário que você tenha uma atitude proveitosa: detectar aonde errou e aprender para as próximas oportunidades.
8. Confie sempre em você. Se você não confiar, como fará com que os outros acreditem que você é a pessoa ideal para a função? O seu currículo sozinho não irá definir sua contratação, mas sim o fato de você saber se vender.
9. Não se desespere. Não é porque você está desempregado que tem que aceitar qualquer coisa. Enquanto procura uma colocação, faça trabalhos temporários e tenha tranquilidade para escolher bem a atividade definitiva.
10. Não desperdice as oportunidades. Antes de recusar uma colocação, vá à entrevista e descubra quais as funções que irá realizar e o que a empresa tem a lhe oferecer. Você pode se enganar em relação a uma vaga. Vale a pena conferir de perto para não se arrepender depois.




Entrevista de emprego é como o primeiro encontroAnsiedade, frio na barriga...veja o que mais há em comum nas duas situações
Por Clarissa Janini
Sempre que pensamos em amor, romance, paixão, primeiro encontro temos sensações bem características, como friozinho na barriga, nervosismo, ansiedade, insegurança. Reações que podem muito bem ser aplicadas em outras circunstâncias da vida e que normalmente achamos que não têm nada em comum entre si. De acordo com artigo publicado no site Monster.com, um encontro amoroso às escuras pode ser equivalente à primeira entrevista de emprego de um candidato. Veja abaixo um comparativo das duas situações com comentários do consultor Luis Felipe Cortoni.
Considere que Patrícia irá participar de uma entrevista de emprego e Rafael tem um encontro marcado com uma pessoa desconhecida.
Pré-entrevista e devaneios sobre o primeiro encontro
Rafael: "Preciso de alguém em minha vida, qualquer companhia calorosa".
Patrícia: "Necessito desesperadamente de um emprego, o primeiro que me aparecer".
Situações de desespero em ambos os casos são comuns, mas evite focar no resultado. Mire, sim, nos aspectos positivos da experiência que irá passar. E "seja sempre você mesmo, não importa a situação", afirma Cortoni.
O encontro: primeiras impressões e química
Rafael sente uma forte ligação com sua companhia: "ela é exatamente o que estive procurando".
Já Patrícia não tem um bom pressentimento sobre o entrevistador, que é frio e distante.
As primeiras impressões sobre alguém são feitas nos 10 segundos iniciais do encontro. Química e opinião sobre o outro são formadas a partir da linguagem corporal e aparência. Para contornar a situação de Patrícia, o consultor recomenda aliviar a tensão controlando e diminuindo o ritmo da conversa.
Conhecendo-se aos poucos
Rafael presta atenção na conversa cuidadosamente com o intuito de confirmar suas primeiras impressões.
Patrícia sente que o rumo da entrevista muda positivamente ao citar experiências de sucesso na carreira para o entrevistador.
Primeira impressão nem sempre é a que fica, como no caso de Patrícia. Saber conduzir de forma equilibrada a conversa pode mudar o jogo a seu favor. "O candidato precisa reconhecer qual a demanda em relação ao formato da entrevista e se adaptar a ela".
Experiências passadas
Rafael fica conhecendo melhor sua companhia quando ela conta episódios de sua vida.
Patrícia conta casos específicos de seus trabalhos anteriores, o que faz com que o entrevistador perceba detalhes similares com o cargo pretendido.
Histórias peculiares são como uma prova de que você esteve lá e realizou tudo o que disse. Mas cuidado, assim como num primeiro encontro é totalmente desaconselhável falar de relacionamentos passados, Cortoni afirma que você deve apenas revelar o que é pertinente ao molde da entrevista, sem se prolongar em assuntos que pouco interessam.
Sinais de risco
Rafael se impressiona ao ouvir sua parceira falar mal do ex-namorado.
Patrícia deixou o antigo emprego por causa do chefe, mas evita dizer algo negativo sobre ele.
Em ambos os casos, é melhor não maldizer relações passadas. Já se você foi demitido por causa de mau relacionamento com os superiores, é melhor ser ético e arcar com as conseqüências dizendo a verdade, acredita o consultor.
Conhecendo os familiares
Rafael está empolgado para apresentar sua nova namorada à família.
O entrevistador leva Patrícia para um tour na empresa e a apresenta para seus colegas em potencial.
Conhecer outras pessoas é a próxima etapa de qualquer relação. Lembre-se de não subestimar a opinião de terceiros sobre você.
A competição
Rafael compara sua nova companheira a outras mulheres que já conhece.
Patrícia é avisada de que existem outros cinco candidatos para a mesma vaga e começa a entrar em pânico, imaginando que as outras pessoas são mais qualificadas do que ela.
É um erro sofrer por se comparar aos outros. Acredite em suas qualidade e potenciais, pois você é único. E não queira saber mais detalhes sobre os outros candidatos. "Você deve focar no seu desempenho e não no dos demais", afirma Cortoni.
A espera
Rafael avisa sua parceira de que irá ligar para marcarem um próximo encontro.
O entrevistador diz a Patrícia que a decisão sobre a contratação será feita em uma semana.
O momento da espera é talvez o mais difícil de se enfrentar em todo o processo. Todavia, não fique parado esperando a ligação e continue a procurar outras oportunidades. "É melhor ter a angústia da escolha do que a de ser ou não escolhido".
O comprometimento
Rafael está empenhado em dar continuidade ao relacionamento. Só o tempo dirá se seus planos se concretizarão ou não.
Patrícia espera ansiosamente e após duas semanas finalmente é requisitada para a vaga e aceita.
Assim como um primeiro encontro pode não acabar em namoro, uma entrevista de emprego nem sempre resulta na contratação. Às vezes, simplesmente não dá certo, por qualquer razão. Quando isso acontecer, olhe para frente. Sempre haverá outros encontros e entrevistas por vir.




















Torne seu currículo mais efetivoFaça de seu CV um belo cartão de visita
Por Gisèle de Oliveira
O currículo não é um documento estático, no qual só devemos mexer quando saímos de um emprego e precisamos acrescentar mais uma experiência profissional a ele. Muito pelo contrário, o CV deve ser dinâmico e personalizado, seguindo as exigências das empresas e do mercado.
Cartão de visita de qualquer profissional, ele deve priorizar informações relevantes para cada posição pretendida e não apenas trazer uma lista de experiências anteriores. Se você está tendo dificuldades em conseguir um novo emprego, dê uma boa olhada em seu currículo e confira as dicas comentadas que a consultora do Senac e da Interação Desenvolvimento Humano e Organizacional, Creusa Quirino da Silva, e a gerente geral de Recursos Humanos da Siemens, Sylmara Piedade Requena, deram para torná-lo mais atrativo e efetivo. São pequenas mudanças que poderão fazer uma grande diferença na hora da seleção para uma vaga.
Tamanho:- O ideal são duas folhas, no máximo.
"Nada que tenha folhas e folhas. O currículo tem que ter um resumo de seus dados pessoais, formação, experiência profissional, que denote se existe mobilidade para morar em outras cidades ou países, idiomas que domina, foco para a posição que busca, competências mais expressivas", diz Sylmara.
Quando atualizar o CV:- Toda vez que assumir outra responsabilidade hierárquica ou desafios distintos, com projetos diferenciados.- Quando for necessário adequá-lo ao perfil de uma vaga.
"O currículo é algo dinâmico, vivo e que deve traduzir sua experiência passada até a presente. Deve ser permanentemente atualizado, sempre que necessário", afirma a gerente geral de RH da Siemens.
Dados pessoais:- Devem vir logo no início do currículo, com nome, endereço, telefone e e-mail. - Evitar colocar número de documentos, raça, religião, filiação partidária.
"O selecionador precisa saber como e onde encontrar o candidato. Muitas vezes as pessoas só colocam telefone e endereço no final do currículo e isso é desaconselhável. Número de documentos e religião, por exemplo, são informações desnecessárias, pois não têm a ver com as competências requeridas", esclarece Creusa.
Objetivo:- Colocar o cargo pretendido. Ex.: gerente de recursos humanos, gerente de vendas, etc.
"A nomenclatura para um cargo é muito variável, muda de empresa para empresa. Então, é indicado que o profissional mude o nome do cargo pretendido para se adequar aquele que está se candidatando. Mas desde que ele preencha os requisitos, claro", afirma Creusa.
Sumário:- Convém abrir com um sumário de leitura rápida.- Resumo das qualificações e dos resultados.- Falar o que pode fazer pela empresa, com base em sua experiência.- Resumo de qualidades. Ex.: facilidade para lidar com pessoas, liderança de grupo, etc.
"Esta é uma forma de despertar o interesse do selecionador, mostrando sua experiência e como ela poderia ser útil para a empresa. Para isso, a pessoa deve procurar conhecer um pouco da organização. Se for possível, entrar no site, saber qual é o negócio da companhia e estudar como sua experiência poderia ser utilizada", conta a consultora.
Personalizando o currículo:- Deixar o currículo com a "cara" que se encaixe melhor ao perfil solicitado pela empresa. - Priorizar informações relevantes ao cargo oferecido.- Deixar fora experiências e cursos que não agregam valor às suas capacitações para a vaga pretendida.
"Não adianta a pessoa colocar uma relação enorme de experiências e deixar a que faz diferença para aquele determinado cargo perdida no meio desse amontoado de informações. Por isso é bom destacar aquelas que compõem os requisitos que a empresa solicita, senão acaba passando informação que não agrega valor. Quando o selecionador pega o currículo ele quer saber o que o candidato pode fazer pela empresa. Não é desconsiderar o que o candidato traz de bagagem, mas valorizar aquilo que lhe dê mais chances para aquela vaga", aconselha Creusa.
Pretensão salarial:- Coloque esta informação somente se for exigida pela empresa.- Para não fechar portas, observe que está aberto a negociações usando a frase: "Possível negociação à medida de conhecimento da carteira de benefícios da empresa".
"Dessa forma, você não está dizendo que aceita qualquer salário, mas educadamente se mostra aberto a negociações com base nos benefícios, deixando a porta aberta para um segundo momento, a entrevista. É uma maneira de se valorizar e mostra que se trata de uma pessoa de visão", alerta a consultora.
Cursos e outros projetos:- Dê preferência a cursos de especialização e entidades de renome.- Projetos sociais também são importantes, porém apenas aqueles de peso.
"É importante ter bom senso, nem tudo precisa ser colocado no CV. Tudo o que for informado deve ter contribuído sensivelmente para que se tenha adquirido experiência de peso. Existem cursos que muitas vezes não precisam ser citados, são bases para um bom desenvolvimento", declara Sylmara.
Sem assassinar o português- Muita atenção com o português. - Faça uma revisão cuidadosa do currículo para evitar erros de gramática e ortografia.
"Seja humilde, caso precise, peça ajuda a alguém para fazer essa revisão. Erros gramaticais e ortográficos pegam muito mal e podem desclassificar o candidato", avisa Creusa.
Mentira tem perna curta:- Não minta jamais, não coloque informações falsas em seu currículo.- Todas as informações podem ser checadas, além do que você pode acabar se confundindo e se comprometendo durante a entrevista e isso coloca ponto final nas suas chances.











Está na hora de mudar de emprego?É preciso coragem para reconhecer esse momento e partir para uma nova experiência
Por Clarissa Janini
Quem nunca pensou em largar um emprego insatisfatório, mas teve medo de se arriscar? O receio do desemprego faz com que muitas pessoas atuem em áreas ou locais que pouco trazem prazer e crescimento pessoal – no máximo, alguma sensação de conforto e estabilidade. O que fazer quando a dúvida de mudar ou não de emprego bate à porta? Segundo os especialistas ouvidos pelo Empregos.com.br, a melhor saída para o trabalhador insatisfeito é ter coragem e encarar um novo desafio.
Marcos Hashimoto, palestrante e professor da Business School São Paulo, é categórico ao afirmar que, na dúvida, a mudança é o melhor caminho. "Hoje em dia ninguém mais está garantido no mercado. Se você estiver em dúvida sobre deixar ou não o emprego atual, pense que o pior que pode acontecer é não dar certo. E tire uma lição positiva de tudo isso, pois esse tipo de experiência traz um grande aprendizado". Ele conta que, em suas palestras, gosta de usar a seguinte metáfora: "Quando você vir uma estrela e tiver vontade de segui-la, vá em frente, sem receios. Se ela lhe levar para um lugar escuro, pense que, pelo menos, você soube que aquela não era a estrela da sua vida".
Segundo a gerente de RH da SOS Computadores, Esmeralda Queiroz, o fator que mais leva um profissional a querer mudar de emprego é a falta de perspectivas de crescimento na empresa. "É quando o trabalho atual não proporciona os desafios que você está buscando. Além desta, existem outras questões que levam à insatisfação, como baixa remuneração, ambiente de trabalho desagradável, mau relacionamento com os superiores, entre outros". Ela também acha que o desconforto no emprego deve ser maior que o medo da mudança. "Ao buscar experiências novas, você estará fazendo algo para si próprio. Lembre-se de que você é o gerente da sua carreira".
Ajuda especializadaExistem hoje diversas consultorias que prestam serviço a profissionais que têm a intenção de mudar os rumos da carreira. Sílvio Celestino, especialista em marketing pessoal, diz que atende não só a pessoas com vasta experiência, mas também a muitos recém-formados. "Muitos profissionais mais novos enxergam o futuro de maneira equivocada e acabam se frustrando. O trabalho de coaching, neste caso, costuma trazer resultados mais rápidos". Marcelo Pedra, gerente de RH da SPCOM, também acha que muitos jovens de hoje têm perspectivas inviáveis em relação à realidade. "Acontece como no caso do sonho de tornar-se jogador de futebol. A criança vai crescendo e descobre que a tarefa não é tão simples assim de ser concretizada". Para ele, a melhor maneira de não se deixar levar por falsas expectativas é manter-se constantemente atualizado.
Alguns sintomas de que o trabalho atual não vai nada bem:
Você acorda desmotivado para o trabalho e só se recupera ao voltar para casa;
Tem perspectivas pragmáticas e nada positivas sobre seu crescimento na empresa;
O salário e o relacionamento com colegas/superiores não lhe agradam;
O único motivo pelo qual trabalha na empresa é financeiro
Confira algumas dicas para ter sucesso na mudança de emprego:
Não espere pelo pior e seja você mesmo o agente da mudança;
Mantenha seu network sempre atualizado;
Tenha real noção da empregabilidade de sua função no mercado;
Caso esteja inseguro, mantenha o canal aberto com a empresa anterior;
Se achar necessário, busque ajuda de um consultor de carreira;
Empenhe-se para atuar em algo que realmente goste
Você já sorriu hoje?Especialistas comentam a importância do bom humor no ambiente de trabalho
Por Clarissa Janini
Tornar o ambiente de trabalho tão agradável como qualquer outro é o que nove entre dez especialistas da área de recursos humanos e motivação organizacional proferem na atualidade. Mas como cultivar o bom humor se as condições de trabalho e os colegas nem sempre são os mais satisfatórios? De acordo com os entrevistados do Empregos.com.br, o temperamento é algo intrínseco da personalidade da pessoa, mas pode ser trabalhado e melhorado.
O bom humor no trabalho não só torna as relações interpessoais mais agradáveis, como também "melhora a produtividade, ameniza pressões e o estresse", segundo José Tolovi Júnior, presidente do Great Place to Work Institute. Para ele, identificar um profissional bem ou mal humorado começa já no processo de seleção. "Dá para perceber qual é o gênio da pessoa logo na conversa. Infelizmente, muitas empresas ainda levam mais em conta a parte técnica da pessoa, sem dar muita importância para a personalidade. Mais tarde, o perfil do profissional pode não casar com o estilo da empresa, gerando conflitos".
"O bom humor estimula a produção de hormônios responsáveis pela sensação de prazer", segundo Denise Manfredi, da Business School São Paulo. Ela também diz que "bom humor não se fabrica, mas pode ser melhorado com treinamentos e auto-conhecimento". Mesmo assim, ela explica que existe um limite entre o bom humor construtivo e o destrutivo. "O sarcasmo e o preconceito podem vir disfarçados em forma de brincadeiras aparentemente inocentes. O líder deve ter a percepção em manifestações preconceituosas e tomar as devidas atitudes".
Lidando com o mau humor De acordo com Denise, quando surgiu o boom da gestão participativa nas empresas – em que os colaboradores possuem certa autonomia em relação à liderança – gerou-se também o conflito de o líder sentir, de certa maneira, sua autoridade ameaçada. "Empresas horizontais estimulam mais questionamentos e requerem maior auto-conhecimento corporativo". Encontrar a harmonia entre as relações pessoais no trabalho nem sempre é fácil.
"O mal humorado pode ser uma tragédia, de acordo com o cargo da pessoa", afirma o consultor Sérgio Becker. Ele diz que pessoas com esse tipo de personalidade são uma âncora para a empresa, pois não vão para frente e impedem os outros de evoluir. Ele dá algumas dicas de como identificá-los: "o mal humorado não celebra vitórias, não ri, não é criativo, não agrega, gosta de chamar a atenção, é conformado, quadrado, auto-referente, previsível, mistura pessoal com profissional, é simpático, mas não empático". Ele ainda revela um dado interessante de uma pesquisa realizada por sua consultoria, a Becker Motivação e Mudança. "Em todos os treinamentos motivacionais que já fizemos, cerca de 75% dos profissionais conseguiram alguma melhora. O resto é do tipo que não muda, tem feedback negativo e não quer enxergar seus pontos fracos. Digo que essas pessoas são ‘muito abertas ao monólogo’".
E o que fazer quando se é preciso lidar com esse tipo de profissional? De acordo com os entrevistados, se você não puder mudar de emprego, tenha o mínimo contato possível com o mal humorado. "Se a pessoa é excepcional tecnicamente e não pode ser dispensada, recomendo a ‘blindagem corporativa’", diz Becker. Para Denise, nesses casos você deve se relacionar apenas profissionalmente, deixando o lado pessoal de fora. "Ou você aprende a lidar com isso ou é melhor sair da empresa".

Nenhum comentário: