sábado, 18 de outubro de 2008

EFEITOS DA GINÁSTICA LABORAL NOS NÍVEIS DE DISPOSIÇÃO

Este estudo tem por objetivo verificar o benefício de um Programa de Ginástica Laboral para sua
implantação diária durante as atividades de trabalho, junto aos usuários de computador do
Instituto de Planejamento e Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico e Científico – IPAD, em
Recife-PE. À amostra, composta de 98 funcionários, foi aplicada uma série de exercícios de
alongamento, endurance muscular e relaxamento corporal, durante quatro meses, e, ao final do
período, os funcionários foram submetidos a um questionário, levando-se em consideração os
níveis de estresse e de disposição para o trabalho. A análise dos dados foi descrita por
distribuição de freqüência absoluta e relativa. Os resultados indicaram uma diminuição no nível de
estresse e um aumento na disposição para o trabalho.
Palavras-chave: lesões por esforços repetitivos, desconfortos musculoesqueléticos, ginástica
laboral.

INTRODUÇÃO
Desde a época artesanal, o homem implantou um processo de divisão de
trabalho, denominado de etapa manufatureira, visando o aumento da produção de
trabalho (SANDE, 1998).
No século XIX, a Revolução Industrial e Tecnológica introduziu um novo
ritmo de trabalho com a finalidade de suprir a competitividade do mercado
mundial. Essa nova estratégia gerou mecanização e automação do trabalho, e
tarefas que antes recaíam diretamente sobre a função humana passam agora do
homem para as máquinas tornando os sistemas de trabalho mais complexos. A
partir daí, foram exigidos dos trabalhadores movimentos repetitivos em ritmo
elevado, imposto pela velocidade da máquina, força excessiva, posturas nem
sempre adequadas às suas condições e longas jornadas de trabalho, dando início
ao aparecimento do aumento nos níveis de lesões músculo-esqueléticas
relacionadas ao trabalho (OLIVEIRA, 1991; ASSUNÇÃO & ROCHA, 1993).
Vários foram os fatores levantados para explicar as lesões músculoesqueléticas
no trabalho. Niosh (1998) sugeriu que as causas dessas lesões
seriam decorrentes tanto de fatores psicossociais (sobrecarga, trabalho), como
também ocupacionais (produtividade, aspectos biomecânicos, posturas de
trabalho, repetitividade de movimentos) e ainda de fatores individuais (força física
excessiva, falta de atividade física), que foram considerados requisitos primordiais
para o aparecimento de lesões no trabalho.
A princípio, as lesões do trabalho foram tratadas de modo conservador
através da reabilitação física, o que favorecia ao afastamento do trabalhador de
sua atividade e diminuía a produtividade da empresa, e o mesmo retornaria à
situação desencadeadora das lesões no ambiente de trabalho (WALSH &
COURY, 2002; MENDES & CASAROTTO, 1998).
Diante desses dados, formas de intervenção foram estudadas a fim de
eliminar ou reduzir os fatores de risco presentes no local de trabalho. Os projetos
ergonômicos foram uma das primeiras intervenções, com o objetivo de adequar
as ferramentas de trabalho de acordo com o perfil físico do trabalhador (KILBOM
et al, 1996; JONES et al, 2001; KELOTA et al, 2002). Os trabalhos de Green e
Briggs (1989) promoveram tanto mudanças no ambiente de trabalho quanto
treinamento dos trabalhadores para este ambiente, que foram importantes na
redução dos sintomas. Enquanto que os estudos de Maher (2000), Eriksen et al
(2002), e Karjalainen et al (2003) mostraram o uso de atividade física no trabalho
chamada Ginástica Laboral, adaptada às necessidades impostas pelo tipo de
trabalho, em breves períodos de tempo, visando incrementar o rendimento e a
disposição do profissional e a conscientização sobre a prática de ações
saudáveis. Já os trabalhos de Ong (1984) e Lee (1992), promoveram a
associação da Ginástica Laboral e mudanças ergonômicas.

Poucos foram os estudos que analisaram cada um desses recursos
separadamente no posto de trabalho, o que segundo Kilbom (1996) promove um
melhor controle da eficácia individual de cada recurso.
Diante da escassez de pesquisas que estudam apenas uma intervenção
terapêutica nos desconfortos musculoesqueléticos do trabalho, este estudo tem
por objetivo avaliar a eficácia da Ginástica Laboral isolada sob os níveis de
disposição no trabalho e tensão muscular em usuários de computador como
forma de subsídio para implantar essa intervenção na empresa.

MATERIAL E MÉTODOS
Esta pesquisa, de natureza quase-experimental, teve design de grupo
único, submetido à intervenção de um Programa de Ginástica Laboral (GL) do tipo
Compensatória, aplicando-se um questionário após a finalização do programa.
A amostra foi composta por 98 funcionários (46 homens, e 52 mulheres),
do Instituto de Planejamento e Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico e
Científico – IPAD, Recife-PE – nos setores da Assessoria Jurídica, CADES
(Centro de Apoio e Desenvolvimento e Políticas Sociais), CEUMA (Centro de
Desenvolvimento e Produção Urbanística e Meio Ambiente), CECAP (Centro de
Capacitação e Avaliação Profissional), CECOP (Centro de Comunicação e
Promoção de Eventos), CALLCENTER, DATACENTER (Centro de
Desenvolvimento de Tecnologia da Informação), SUFIN (Superintendência de

Gestão Financeira e Contábil), SUGEP (Superintendência de Gestão de
Pessoas), SULOG (Superintendência de Gestão de Logística) –, que foram
submetidos a um Programa de Ginástica Laboral.
A intervenção deu-se através de um programa de exercícios que visava a
diminuição do nível de estresse no ambiente de trabalho e o aumento da
disposição dos funcionários para o mesmo, melhorando, desta forma, a sua
qualidade de vida profissional.
O Programa de Ginástica Laboral do tipo Compensatória foi realizado
durante o horário de trabalho, e foi aplicado durante quatro meses, período de 18
de outubro de 2002 a 20 de fevereiro de 2003, nos seus dias úteis, totalizando 88
sessões de exercícios. Cada sessão de GL, composta de exercícios de
alongamento muscular, de endurance muscular e relaxamento corporal, durou
quinze minutos e foi direcionada aos grupos musculares mais requisitados
durante a atividade de digitação.
Durante as sessões foram enfatizados:
· Exercícios de alongamento – envolvendo os membros superiores
(ombros, cotovelos e punhos), a coluna vertebral (principalmente as regiões do
pescoço e lombar), e os membros inferiores (quadris, joelhos e tornozelos);
· Exercícios para endurance muscular – através de exercícios ativos
livres tanto para os membros superiores como para os inferiores;
· Relaxamento corporal – baseado em exercícios de alongamento
associados a exercícios respiratórios.
As sessões foram divididas de uma forma que não tornasse rotina para os
funcionários, assim, numa semana eram realizados três dias de alongamento
muscular e dois de exercícios para endurance, e na semana seguinte a seqüência
era invertida, tendo dois dias de alongamento muscular e três de exercícios de
endurance. O relaxamento corporal foi realizado todos os dias ao final das
sessões.
Após o período de quatro meses do Programa, os funcionários foram
submetidos a um questionário levando em consideração os níveis de estresse no
trabalho e de disposição para o mesmo, antes e após a atividade do programa,
durante os dias 24 a 28 de fevereiro e 13 e 14 de março de 2003.
5
A análise dos dados foi descrita por distribuição de freqüência absoluta e
relativa.
RESULTADOS
Foi observado que o nível de disposição para o trabalho aumentou,
notando-se que houve uma diminuição de vinte e nove funcionários indispostos
(30%) para seis (6%), e, ainda, um aumento de sessenta e nove funcionários
dispostos (70%) para oitenta e cinco (87%), que fizeram parte dos quatro meses
do Programa de Ginástica Laboral (Figuras 1 e 2).
As figuras 3 e 4 mostram que os níveis de estresse no trabalho diminuíram,
ou seja, o nível classificado como muito tenso diminuiu de 15% (quinze

DISCUSSÃO
As atividades cotidianas do trabalho podem afetar a qualidade de vida dos
trabalhadores, momentânea e definitivamente (COURY & RODGHER, 1997).
Putz-Andersson (1988) sugeriu que um dos fatores importantes para o
aparecimento de desconfortos músculo-esqueléticos foi à rápida introdução do
uso de microcomputadores, sem que as condições de trabalho fossem adequadas
ao trabalhador, proporcionando tanto estresse físico através de sustentação de
posições de músculos e articulações extremas, quanto estresse emocional,
através da necessidade do aumento da produtividade no trabalho (PINTO, 1997).
Vários foram os estudos que utilizaram ferramentas para melhorar a
qualidade de vida do trabalhador no posto de trabalho, dentre eles:
enriquecimento de tarefas, redesenho do posto de trabalho e prática de Ginástica
Laboral (RODGHER et al, 1996).

Os resultados encontrados neste estudo mostraram que o Programa de
Ginástica Laboral aumentou a disposição para o trabalho quando comparado
antes da intervenção, os quais concordam com os encontrados em Stein (2001).
A repetitividade do trabalho proporciona cansaço que, sem um tempo de
repouso adequado, pode evoluir para desconforto mais intenso e ir progredindo
para dor acentuada, fadiga e tensão muscular (MENDES & CASAROTTO, 1998;
HALES et al, 1994). O estudo mostrou que o incremento da Ginástica Laboral em
usuários de computador promoveu redução das dores musculares generalizadas
apresentadas por esses trabalhadores quando comparado antes da sua
aplicação. Esses dados concordam com os dados encontrados por Eriksen et al
(2002), no entanto discordam dos trabalhos de Silverstein et al (1988) e Thomas
et al (1993). As razões para essas discrepâncias podem dever-se ao fato de que
este estudo foi realizado em um espaço de tempo curto (quatro meses), onde
essas melhorias seriam ocasionadas apenas de maneira mais aguda,
necessitando de estudos com um prazo maior de tempo para elucidar esse ponto.
O resultado da Ginástica Laboral sobre os efeitos na tensão muscular
mostrou uma redução nos níveis classificados como muito tenso e tenso,
sugerindo que a atividade física parece proporcionar relaxamento muscular, o que
diminui os níveis de tensão no trabalho. Vale a pena salientar que a classificação
dos níveis de tensão não é muito clara, e, como os dados foram obtidos através
de questionários, pode não torná-los tão fidedigno, devido ao grande grau de
subjetividade, necessitando de mais pesquisas, principalmente com o uso de
dispositivos mais diretos que possam quantificar com mais exatidão os níveis de
tensão muscular.

CONCLUSÃO

A Ginástica Laboral, neste estudo, mostrou ser efetiva na redução das
dores musculares e no aumento da disposição do trabalho. Porém, são
necessários estudos mais específicos, que requeira um tempo de intervenção
maior para sua elaboração, quanto à localização da dor e estudos biomecânicos
com associação de Eletromiografia para ilustrar com maior fidedignidade os
achados encontrados, visto que existe uma grande subjetividade das respostas
quando se utiliza questionário, tornando as variáveis muito complexas e não
podendo ser elucidadas apenas com o uso deste recurso.

Nenhum comentário: